×

EUA reacendem disputa entre Venezuela e Guiana por região rica em petróleo

EUA reacendem disputa entre Venezuela e Guiana por região rica em petróleo

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
O subsecretário dos EUA para Assuntos do Hemisfério Ocidental, Brian Nichols, afirmou nesta quarta-feira (20) que a Casa Branca apoia as licitações de petróleo na região de Essequibo, disputada por Venezuela e Guiana.
“Os EUA apoiam o direito soberano da Guiana de explorar seus próprios recursos naturais. Os esforços para infringir essa soberania são inaceitáveis, por isso apelamos à Venezuela para que respeite o direito internacional”, disse o funcionário do governo americano na rede social X (antigo Twitter).
Em resposta, o ditador Nicolás Maduro afirmou que a Guiana age como uma “colônia” e considerou o apoio dos EUA na disputa uma “intromissão insolente”.
O conflito entre os países a respeito da soberania sobre a região começou ainda no século XIX.
Para a Venezuela, a área é parte do seu território porque, durante o período colonial, ela integrou a capitania geral do país.
No entanto, em 1966, ano em que a Guiana obteve sua independência do Reino Unido, foi assinado o Acordo de Genebra, que determinou o controle da área pelos guianenses. Mesmo assim, a Venezuela afirma que o Essequibo está em “áreas marítimas sem delimitação”.
No final do ano passado, a Guiana anunciou licitações para explorar campos petrolíferos da região, que possui mais de 160 mil quilômetros quadrados de território rico em petróleo.
Em abril deste ano, a Venezuela acionou o Tribunal Internacional de Justiça (TIJ), sediado em Haia, na Holanda, que rejeitou, por 14 votos contra um, os argumentos elencados pelo país sobre a delimitação da região com a Guiana.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: Gazeta do Povo

Publicar comentário