×

Otan faz exercícios militares com drones na Holanda

Otan faz exercícios militares com drones na Holanda

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
Forças da Organização do Tratado do Atlântico Norte  (Otan) realizaram uma simulação organizada para demonstrar em que ponto a drones (C-UAS), realizado nesta semana para testar cerca de 70 sistemas e tecnologias (sensores, C2 e drones) que são usados para combater pequenos drones.
Os drones representam uma “grande ameaça” para a Otan e para a sociedade em geral, afirmam fontes da Aliança, uma vez que mesmo um pequeno drone de uso particular pode, por exemplo, lançar um explosivo contra um tanque, ataque infraestruturas vitais ou colete informações de inteligência.
Um pequeno drone sobrevoa o campo verde da base militar holandesa Tenente General Best Barracks, na cidade de Vredepeel, província de Limburg.
Os olhos dos presentes, civis e soldados de vários países concentram-se no veículo aéreo não tripulado, que poderia conter explosivos ou coletar informações importantes.
Outro drone, consideravelmente maior, decola rapidamente da pista, controlado remotamente por um especialista para a captura de seu irmão mais novo: cerca-o, testa o terreno, aumenta a altitude e dispara uma rede que imobiliza o pequeno avião sem grandes complicações. tripulado. Ele o leva para a pista, e o solta, enrolado em fios, com as asas presas, até que um funcionário da base o pegue e leve para análise.
Mais de 60 indústrias, países aliados e parceiros aprenderam uns com os outros para aumentar a capacidade de detectar, identificar e neutralizar estes pequenos drones.
“Os pequenos drones representam uma enorme ameaça para a Otan e as nossas operações, e temos de combater essa ameaça. Isso torna este exercício muito importante. “Os acontecimentos atuais estão sendo avaliados, vemos como os drones estão são usados na guerra brutal da Rússia contra a Ucrânia”, afirma o brigadeiro-general Hans Folmer, chefe do Estado-Maior da Agência de Comunicações e Informação (NCIA), em Haia.
São analisadas informações sobre o uso de drones na guerra na Ucrânia, mas também são importantes dados sobre o uso de pequenos drones em outras áreas não militares.
“É mais do que o que está a acontecer na Ucrânia, são também as ameaças diárias que enfrentamos. É por isso que fazemos isso. Trata-se de detectar, rastrear, identificar e encontrar uma forma de mitigar a ameaça. Todos esses aspectos são importantes. Vemos que existem muitos sistemas diferentes no mercado e temos de garantir que funcionam em conjunto”, afirma Folmer. A tecnologia avança em um ritmo desenfreado, e parte fundamental é que a própria indústria esteja interligada e as nações sejam “interoperáveis” no uso de atividades antidrones, porque, “não é apenas o objeto final, o drone, mas também o centro de comando e comunicações intermediárias”, diz Folmer.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: Gazeta do Povo

Publicar comentário