×

Papa Francisco se reúne com Macron e critica gestão migratória europeia

Papa Francisco se reúne com Macron e critica gestão migratória europeia

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
O papa Francisco se reuniu neste sábado (23) com o presidente da França, Emmanuel Macron, em Marselha, durante sua visita aos Encontros do Mediterrâneo. Na reunião, que durou cerca de 32 minutos a portas fechadas e contou com a presença da primeira-dama francesa, Brigitte Macron, o pontífice enviou uma mensagem crítica à gestão europeia da crise migratória.
Francisco fez um apelo à Europa por um acolhimento justo dos imigrantes e pela ampliação das entradas legais. Ele ressaltou que “a rejeição não é a solução” para a questão migratória e destacou que o Mar Mediterrâneo, que outrora foi o berço da civilização, agora se tornou o “túmulo da dignidade” devido ao “sofrimento dos irmãos e irmãs imigrantes”.
Francisco enfatizou que as dificuldades em acolher, proteger, promover e integrar os imigrantes são evidentes, mas o critério principal deve ser a salvaguarda da “dignidade humana, não apenas a preservação do bem-estar”. Ele argumentou que a solução para o “flagelo da exploração humana não é a rejeição, mas a garantia de um amplo número de entradas legais e regulares, sustentáveis, por meio de um acolhimento justo por parte da Europa” e da “cooperação com os países de origem”.
O papa também rejeitou o uso do termo “invasão”, afirmando que aqueles que arriscam suas vidas no mar em busca de refúgio não estão invadindo, mas sim buscando abrigo. Quanto à noção de “emergência”, ele enfatizou que o fenômeno migratório não é apenas uma urgência momentânea, mas uma realidade contínua da atualidade.
Com mais de 2 mil mortes registradas neste ano, a tragédia migratória no Mar Mediterrâneo se intensificou, e a ilha italiana de Lampedusa registrou um grande fluxo de chegadas nos últimos dias. Na terça-feira (19), o ministro do Interior francês, Gérald Darmanin, declarou que seu país não irá acolher esses imigrantes. (Com Agência EFE)
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: Gazeta do Povo

Publicar comentário