×

Ao julgar decisão sobre lavra ilegal de areia, STF diz que dano ambiental não prescreve

Ao julgar decisão sobre lavra ilegal de areia, STF diz que dano ambiental não prescreve

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
Ao julgar um Recurso Extraordinário da Advocacia-Geral da União (AGU), na última segunda-feira (25), os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) reafirmaram, por unanimidade, a tese de que crimes ambientais não podem ser considerados meros ilícitos civis e, portanto, não devem prescrever.
O julgamento se deu em função de uma controvérsia instaurada na Justiça Federal por conta da lavra ilegal de areia nas margens do rio Itajaí-açu, em Santa Catarina.
Duas empresas foram acusadas de provocar dano ambiental e condenadas a recuperar a área degradada.
Acontece que, apesar de impor a condenação por dano ambiental, a Justiça negou o pedido de ressarcimento feito pela União com base na exploração ilegal de minério e dano moral coletivo.
De acordo com a decisão, o ressarcimento não seria possível, uma vez que o crime teria ocorrido há mais de cinco anos e, em tese, estaria prescrito.
No Recurso Extraordinário apresentado ao STF, a AGU sustentou que a extração mineral clandestina é uma conduta criminosa grave por tratar-se da “apropriação de patrimônio não renovável e finito”.
Ao acatar os argumentos da AGU, a presidente do STF, ministra Rosa Weber, afirmou que “o direito ao meio ambiente está no centro da agenda e das preocupações internacionais inauguradas formalmente com a Declaração de Estocolmo e, como tais, não merecem sofrer limites temporais à sua proteção”.
A decisão do Supremo chama atenção pelo fato de que ainda não há no país o mesmo entendimento de imprescritibilidade, por exemplo, para crimes graves como corrupção e lavagem de dinheiro.
Só recentemente é que a Comissão de Segurança Pública (CSP) do Senado aprovou um projeto que torna imprescritíveis os crimes de corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro (PL 5.236/2020).
A proposta, do senador Marcos do Val (Podemos-ES), ainda aguarda análise da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: G Bahia

Publicar comentário