×

Agricultores da Venezuela denunciam queda de renda após população consumir menos

Agricultores da Venezuela denunciam queda de renda após população consumir menos

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
Os produtores agrícolas da Venezuela afirmaram nesta terça-feira (26) que sofreram uma redução “desproporcional” de sua renda como consequência da “retração do consumo” no país, que, segundo eles, “está afetando todas as cadeias agroalimentares”.
Em um comunicado publicado na rede social X (antigo Twitter), a Confederação das Associações de Produtores Agrícolas (Fedeagro) disse que a queda na renda atingiu principalmente os pequenos produtores venezuelanos.
A entidade afirmou que o país está “inundado” de produtos importados e alimentos frescos e processados que são contrabandeados.
Com isso, o setor da agricultura, que sustenta a economia de 17 dos 23 estados venezuelanos, enfrenta uma grande impacto negativo, tentando manter suas unidades de produção com base no autofinanciamento, frente aos problemas de seca, alta inflação e a falta de combustível.
A Fedeagro disse que a produção nacional “carece de apoio”, que o investimento público em “infraestrutura produtiva é praticamente nulo e o crédito bancário é significativamente restrito”.
“Não podemos ficar indiferentes a essa situação”, disse um porta-voz da confederação de produtores, que exigiu a criação de um Conselho Nacional de Grãos, no qual os setores público e privado fariam um “balanço entre a oferta e a demanda interna” para definir os volumes de importação e estabelecer o tempo para realizá-los.
Em agosto, o ditador Nicolás Maduro aprovou um fundo de financiamento para o setor rural e pesqueiro no valor de 165 milhões de bolívares (cerca de US$ 5 milhões na taxa de câmbio oficial da época), com o objetivo de impulsionar a produção e o crescimento agrícola do país.
Ele também pediu que fosse garantido um “fornecimento oportuno e seguro” de combustível para os produtores. No entanto, segundo a Fedeagro, “o país não garante o apoio e investimento necessários para o desenvolvimento do setor”.
O regime venezuelano sofre uma grave crise interna devido a sanções impostas pelos Estados Unidos e à corrupção do governo, fatores que têm causado um colapso social no país. (Com informações da Agência EFE)
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: Gazeta do Povo

Publicar comentário