×

Com gasto em alta e receita em queda, rombo nas contas federais já passa de R$ 100 bilhões

Com gasto em alta e receita em queda, rombo nas contas federais já passa de R$ 100 bilhões

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
O governo central registrou déficit primário de R$ 26,4 bilhões em agosto, resultado pior que o esperado pelo mercado. A mediana das projeções era de saldo negativo de R$ 25,1 bilhões.

Com isso, o rombo no acumulado do ano superou a marca de R$ 100 bihões, segundo relatório publicado nesta quinta-feira (28) pelo Tesouro Nacional. Os números se referem aos resultados primários – ou seja, não incluem as despesas com o pagamento da dívida pública – na soma de Tesouro, Banco Central e Previdência.

Isoladamente, o número de agosto foi melhor que o apurado no mesmo mês do ano passado, quando houve déficit de R$ 50,4 bilhões. Porém, há muito de “efeito calendário” nessa aparente melhora.

O mês de agosto de 2022 concentrou pagamento de precatórios (que em 2023 foram pagos em abril e maio) e financiamento eleitoral, e ainda um encontro de contas relativo ao aeroporto do Campo de Marte (SP). São despesas que não se repetiram em agosto deste ano.

Na soma dos resultados de janeiro a agosto, porém, a situação das contas públicas piorou. Em 2023, o governo acumula déficit de R$ 104,6 bilhões, ante um superávit de R$ 22,9 bilhões no mesmo período do ano passado.

Na comparação entre os dois períodos, a receita líquida (que exclui transferências a estados e municípios) caiu R$ 71,9 bilhões, ou 5,5%. Enquanto isso, a despesa aumentou R$ 58 bilhões, ou 4,5%.
O tombo nas receitas está relacionado à menor arrecadação com as chamadas receitas não administradas, como concessões e permissões, dividendos e participações e exploração de recursos naturais. Mas as receitas administradas (principalmente impostos) também diminuíram.
De outro lado, houve aumentos expressivos nas despesas com Bolsa Família, saúde e benefícios previdenciários. Os gastos com o INSS foram afetados pelo crescimento no número de beneficiários e também pelo aumento real do salário mínimo, que é piso de aposentadorias e pensões.
A julgar pelas previsões do próprio governo, o rombo vai aumentar nos próximos meses. No mais recente relatório de receitas e despesas, publicado na semana passada, o Ministério do Planejamento informou que a projeção para o ano cheio é de déficit primário de R$ 141,4 bilhões, equivalente a 1,3% do Produto Interno Bruto (PIB).

Para 2024, a meta definida pelo arcabouço fiscal é de déficit zero. Porém, especialistas em contas públicas consideram improvável que o governo consiga alcançar esse resultado em meio ao avanço dos gastos e à forte dependência de aumento na arrecadação.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, corre atrás de pelo menos R$ 168 bilhões em receitas para tapar o rombo. Boa parte delas, no entanto, depende de aprovação de taxações e outras medidas arrecadatórias pelo Congresso.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte Gazeta do Povo

Publicar comentário