×

Oposição se divide sobre obstrução para derrubar sessão do Congresso; PL aceita acordo com governo

Oposição se divide sobre obstrução para derrubar sessão do Congresso; PL aceita acordo com governo

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
Deputados federais e senadores se reúnem na tarde desta quarta-feira (4) para analisar vetos presidenciais e PLNs (projetos de lei do Congresso Nacional) na sessão conjunta do Congresso Nacional. Inicialmente, a sessão foi marcada por questões de ordem e pedidos de cancelamentos por parte da oposição ao governo, mas todos os pedidos foram indeferidos.
O líder do PL no Senado, senador Carlos Portinho (PL-RJ) rebateu a tentativa de obstrução aos trabalhos e reforçou o acordo feito pelos líderes do Legislativo. “Obstrução por obstrução não é o melhor caminho. Fazer resistência só pela resistência nao faz o menor sentido. Saímos maiores quando entramos. Convoco os parlamentares do PL para que votem nos termos do acordo firmado”, disse.
O acordo político, segundo o líder do governo no Congresso Nacional, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), foi que na pauta dessa sessão seriam votados oito projetos de crédito (PLNs 13, 15, 18, 19, 22, 24, 25 e 26, todos de 2023) de interesse do governo e dois vetos presidenciais (VET 67/2021 e 16/2023) que a oposição busca derrubar.
Os deputados do Novo questionaram a negociação e reforçaram que não aceitaram o acordo. A deputada Adriana Ventura (Novo-SP) criticou os “atropelos legislativos”, questionou a “falta de quórum” e os “inconformismos regimentais“, mas não teve nenhum pedido atendido pela presidência da mesa.
“Acho importante a sessão do Congresso para priorizar os temas importantes, caros e de relevância nacional. Mas estamos vivendo diversas crises, e aqui burlam ritos legislativos e passam por cima de combinados, e são combinados que são chancelados pelo regimento comum. Então, não tem regra. Então dane-se se veto tranca a pauta ou se PLN não foram aprovados na comissão mista – o que interessa é a vontade e o que é exigido na reunião de líderes”, criticou Adriana Ventura.
Marcel Van Hattem (Novo-RS) disse que o Congresso está “matando a Constituição” ao querer antecipar a votação dos PLNs sendo que os vetos trancam a pauta. “Na sessão do Congresso aqui se pode matar à vontade a Constituição e ninguém vai preso. Não há acordo possível, a menos que se proponha uma emenda à constituição e acaba com a vedação dos vetos”, disse.
A sessão do Congresso continua em andamento.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: G Bahia

Publicar comentário