×

Acordo com aplicativos de entrega deve ser decidido pelo Congresso, diz ministro

Acordo com aplicativos de entrega deve ser decidido pelo Congresso, diz ministro

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
O ministro Luiz Marinho, do Trabalho e Emprego, disse nesta segunda-feira (9) que pretende apresentar a proposta de regulamentação dos trabalhadores por aplicativo em até duas semanas, independentemente de acordo com as empresas.
Marinho afirmou que os principais pontos já foram acordados com os aplicativos de transporte de passageiros, como a Uber e a 99, mas que a discussão com os de entrega enfrenta resistência e provavelmente será arbitrada pelo Congresso.
“Com os aplicativos de entregadores, ainda não chegamos a acordo. Não está fácil. Provavelmente nós vamos ter que remeter ao Congresso Nacional, arbitrando o que vai acontecer, porque as empresas estão muito duras em relação a isso”, disse o ministro durante uma audiência pública na Comissão de Direitos Humanos do Senado.
Marinho ressaltou que o acordo com a Uber está bem avançado e que a empresa considera o Brasil seu mercado número um. Ele argumentou que debater se a companhia sairá do Brasil após a regulamentação é “perda de tempo”.
O ministro Marinho destacou, ainda, que se alguma empresa decidir sair do país, outra ocupará seu espaço devido à alta demanda no país. Ele concluiu afirmando que o debate com as empresas de transporte de pessoas deve ser publicado nos próximos dias, enquanto as negociações com as de entrega podem ter de ser resolvidas pelo Congresso.
“Se alguém quiser sair [do país], terá o espaço ocupado por outras empresas, não vai ficar espaço vazio. Se alguém resolve sair, o outro ocupa. Isso vale para a Uber, para o IFood, para qualquer um”, completou.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte Gazeta do Povo

Publicar comentário