×

Bandeira de Israel é projetada na cúpula do Senado a pedido de senador

Bandeira de Israel é projetada na cúpula do Senado a pedido de senador

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
A bandeira de Israel foi projetada na cúpula do Senado, na noite deste domingo (8), em homenagem ao país do Oriente Médio que foi atacado pelo grupo extremista Hamas na madrugada de sábado (7).
A projeção foi pedida pelo senador Davi Alcolumbre (União Brasil-AP) ao presidente da casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).
“Na noite deste domingo (8), a cúpula do Senado Federal está iluminada com a projeção da bandeira de Israel em sinal de solidariedade pelo ataque terrorista sofrido e também em homenagem a todos os mortos, feridos e desaparecidos em decorrência desse ataque cruel”, disse Alcolumbre nas redes sociais.
Já Rodrigo Pacheco afirmou que “é urgente que a comunidade internacional propugne esforços em favor da paz entre israelenses e palestinos, no sentido de evitar a escalada da violência no Oriente Médio. Não podemos fechar os olhos para a violação de princípios fundamentais”.
“E nada justifica o uso da violência. Em nome do Congresso Nacional, expresso condolências aos familiares das vítimas, e reafirmo o meu desejo pelo fim do conflito e a busca por uma solução justa, pacífica e duradoura para a região”, completou.
Em uma escalada sem precedentes, o grupo Hamas lançou um ataque contra Israel no último sábado (7), com cerca de dois mil foguetes disparados da Faixa de Gaza. Em resposta, Israel conduziu bombardeios em alvos no território, com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu declarando guerra.
O conflito já resultou em cerca de 1,2 mil mortes de israelenses e palestinos, além de centenas de feridos. Uma ONG relatou a descoberta de pelo menos 250 corpos em um local onde uma rave estava sendo realizada.
Líderes mundiais, incluindo Joe Biden e Emmanuel Macron, condenaram os ataques, assim como entidades judaicas. Irã e Hezbollah celebraram a ação do Hamas.
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) chamou os ataques de “terrorismo”, mas também fez ressalvas. O governo brasileiro informou que um brasileiro ficou ferido e dois estão desaparecidos em Israel, anunciando uma operação para repatriar brasileiros em áreas afetadas pelos ataques.
A Embaixada de Israel no Brasil classificou o Hamas como um “ramo” do regime iraniano.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: G Bahia

Publicar comentário