×

Seca afeta segurança alimentar na amazônia

Seca afeta segurança alimentar na amazônia

Ou entre pelo seu:

Facebook ou Google

Na Amazônia, a pesca gera uma receita anual de cerca de 389 milhões de reais, com uma produção de aproximadamente 173 mil toneladas de peixes. A região é uma das maiores consumidoras de peixe no mundo, com um consumo per capita anual variando entre 135 e 292 kg, conforme dados da FAO. No entanto, essa pesca abundante está ameaçada devido à seca dos rios na região.

A pesca na Amazônia está intrinsecamente ligada às flutuações nos níveis de água dos rios, que alternam entre períodos de cheias e vazantes, afetando a disponibilidade de alimentos e abrigo para os peixes. Esses rios estão em risco devido às atividades humanas, que alteram as flutuações nos níveis de água e os padrões de chuva, resultando em consequências significativas para a pesca devido a eventos climáticos extremos.
“O interessante de se observar é que ainda não temos total conhecimento sobre os prejuízos gerados pelos cenários de seca deste mês na pesca da região. A resposta das populações de peixe sob efeito de flutuações no nível de água leva um tempo, ou seja, os impactos da frequência e intensidade de eventos extremos nas últimas décadas só serão mapeados, totalmente, mais para a frente.

As espécies disponíveis para a captura no momento estiveram sob influência das flutuações no nível de água de anos anteriores. Por exemplo, o jaraqui, peixe emblemático da região amazônica, que é capturado hoje, levou, em média, dois anos para atingir um tamanho corporal para ser pescado. Se os anos anteriores foram adequados para a espécie, com disponibilidade de alimento e abrigo, esse jaraqui sobreviveu e se desenvolveu, sendo capturado para fins comerciais”, afirma Gabriel Costa Borba, doutorando em Fish and Wildlife Conservation na Virginia Tech e mestre em Ecologia pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA).
A falta de monitoramento oficial do desembarque pesqueiro na Amazônia desde 2011 agrava o cenário. O monitoramento tem o propósito de identificar comunidades pesqueiras que utilizam as proximidades dos portos para descarregar peixes, coletar dados estatísticos sobre a pesca e avaliar os impactos de eventos climáticos extremos. A ausência de dados prejudica a capacidade de resposta das comunidades e a formulação de políticas para proteger a pesca na região diante de eventos climáticos extremos.

“Para enfrentar essa situação, é preciso criar planos de manejo da pesca adequados ao contexto de crise climática, unindo conhecimento tradicional e científico sobre a atividade e as flutuações no nível de água. Só assim se poderá minimizar os graves danos às populações locais que comercializam peixes e vêem, agora, sua subsistência ameaçada”, conclui,
Estimado usuário.
Preencha o formulário abaixo para remeter a página.
O Portal do Conteúdo Agropecuário.

Aguarde….


Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.

source
Fonte: Agrolink

Publicar comentário