×

Bombardeio frustra resgate de brasileiros abrigados em escola na Faixa de Gaza

Bombardeio frustra resgate de brasileiros abrigados em escola na Faixa de Gaza

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
Uma primeira tentativa de resgatar 19 brasileiros e outros refugiados que estão em uma escola católica em Gaza foi frustrada por um bombardeio que impediu a chegada do transporte em tempo hábil.
O grupo foi orientado a seguir em direção ao sul de Gaza para se juntar a outros brasileiros que também aguardam a evacuação do local.
Devido à deterioração da estrada por conta de bombardeios, o ônibus que foi buscar o grupo só chegou à escola Rosary Sisters School na noite deste sexta-feira (13) e para evitar o risco de novos bombardeios, uma nova tentativa de evacuação será feita na manhã do sábado (14).
Na quinta-feira (12), Israel deu 24 horas para que os palestinos evacuem Gaza. O ultimato foi distribuído através das redes sociais e por panfletos em árabe. Isso significa que mais de um milhão de pessoas devem deixar suas casas antes do vencimento do prazo.
O ultimato também foi entendido como a confirmação de que Israel está preparando a entrada de sua infantaria pelo norte de Gaza. O Hamas pediu para que os palestinos desobedeçam a ordem de evacuação e a ONU disse que a realocação de um milhão de pessoas no sul é “impossível”.
O Itamaraty avisou ao governo israelense que a escola Rosary Sisters School está sendo usada como refúgio por brasileiros.
A brasileira Shahed Albanna, de 18 anos, está entre os abrigados na escola. Ao falar com a Agência Brasil, nesta sexta-feira (13), Albanna disse que o local não é mais seguro e que, ao todo, cerca de 30 pessoas estão na escola.
A brasileira também disse que o grupo teme deixar o local antes mesmo da abertura de um corredor humanitário.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: G Bahia

Publicar comentário