×

Escândalo expõe problemas do mercado de crédito de carbono na Amazônia, diz jornal

Escândalo expõe problemas do mercado de crédito de carbono na Amazônia, diz jornal


Financial Times, do Reino Unido, mencionou reportagem do g1 para expor a fragilidade e as brechas dos projetos de crédito de carbono em comunidades tradicionais do Pará. Entre os problemas estão o uso de terras públicas como se fossem particulares para negociar créditos com multinacionais. Comunidade ribeirinha em área de assentamento estadual nas margens do rio Anapu, em Portel (PA).
Giaccomo Voccio/g1
Na melhor das hipóteses, o mercado de crédito de carbono na Amazônia envolve regras opacas e direitos à terra complicados, e fazer negócios é uma tarefa árdua. Na pior, a região é uma terra sem lei.
A conclusão é de uma reportagem publicada nesta terça (11) no Financial Times, publicação britânica especializada em economia.
O texto parte de uma investigação publicada no g1 que revelou que empresas brasileiras e estrangeiras usaram terras públicas na Amazônia para lucrar, de forma irregular, com a venda de créditos de carbono para gigantes multinacionais.
A Defensoria Pública do Pará entrou com ações na Justiça contra empresas que criaram os projetos os colocaram à venda na Verra, maior plataforma internacional do mercado voluntário de crédito de carbono.
O g1 esteve em comunidades tradicionais ribeirinhas em Portel, área que pertence ao governo do Pará. No local foram vendidos créditos de carbono para gigantes como Boeing, Air France e o Liverpool, clube de futebol da Premier League inglesa. Essas corporações não são alvo das ações da Defensoria.
Fraude na Amazônia: empresas usam terras públicas como se fossem particulares para vender créditos de carbono a multinacionais
O Financial Times diz que as falhas no processo de venda de crédito de carbono impõem a necessidade de “due diligence”, ou uma auditoria prévia, com o objetivo de analisar eventuais riscos e investigar mais a fundo as informações importantes da empresa alvo.
“Projetos de crédito de carbono não são para organizações bem-intencionadas que não tenham um bom nível de especialização”, disse ao Financial Times Pedro Brancalion, professor do Departamento de Ciências Florestais da Universidade de São Paulo. “É um território complicado. Não é para amadores.”
LEIA TAMBÉM
FRAUDE NA AMAZÔNIA: Empresas usam terras públicas como se fossem particulares para vender créditos de carbono a gigantes multinacionais
ENTENDA: O que é o crédito de carbono, mercado que pode gerar recursos para quem mantém a floresta em pé
IMPACTO PARA COMUNIDADES: Moradora diz que dinheiro do crédito de carbono está indo ‘não sabe pro bolso de quem’: ‘Quem resguarda a floresta somos nós’
‘FERVURA GLOBAL’: Gráficos mostram ‘oceanos com febre’, recordes de calor e gelo derretendo, tudo agora
source
Fonte: G1

Publicar comentário