×

Chuvas de outubro impactarão as lavouras

Chuvas de outubro impactarão as lavouras

Ou entre pelo seu:

Facebook ou Google

A última semana de outubro reserva mudanças significativas no cenário das chuvas no Brasil. Nos próximos 15 dias, duas diferentes sequências de eventos de chuvas devem impactar o país, trazendo implicações para diversas regiões.
A primeira sequência já está em andamento, com um sistema de baixa pressão gerando chuvas intensas e volumosas na região sul do Brasil. As precipitações podem se estender para áreas do sul do Mato Grosso do Sul e sul de São Paulo.
No entanto, o segundo momento promete um padrão de chuvas mais abrangente, principalmente na parte central do país. Essa instabilidade deverá contribuir para a recuperação da umidade no solo, o que é fundamental para o desenvolvimento das culturas recentemente semeadas.

Clique aqui e acesse AGROTEMPO
É importante observar que, na primeira metade de outubro de 2023, já houve chuvas acima da média em diversas áreas, incluindo o norte do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, leste do Paraná, leste de São Paulo e sul de Minas Gerais. A previsão indica que essas regiões continuarão recebendo chuvas adicionais.
As lavouras de trigo, especialmente nas regiões do Sul, têm enfrentado desafios devido ao excesso de chuvas. No entanto, em outras áreas do país, as condições climáticas são favoráveis para o início da safra 2023/24, com algumas ressalvas relacionadas à irregularidade das chuvas e às temperaturas ainda elevadas.



Região Sul
Até o final do mês, as chuvas devem ser persistentes na região. Ainda na semana de 16 a 24 de outubro, os acumulados podem chegar aos 150 mm em áreas do noroeste do Rio Grande do Sul e oeste Catarinense, em função de uma região de baixa pressão que vem provocando as chuvas. Já na última semana do mês, as instabilidades devem ocorrer na forma de pancadas isoladas e passageiras, mas trazendo volumes de até 60 mm em algumas áreas. Ainda em outubro, são esperados até 250 mm em alguns setores do oeste da região, ao passo que o sudeste e norte terão chuvas mais irregulares e menores volumes. 
Região Sudeste
As chuvas devem acontecer de forma recorrente no sudeste, mas tanto as áreas quanto os volumes previstos apresentam uma grande irregularidade Além disso, há uma tendência para chuvas abaixo da média histórica no período (próximos 15 dias), sobretudo em setores mais à oeste. Mesmo assim, não se descarta a ocorrência de temporais localmente fortes, especialmente no período da tarde, que podem trazer volumes significativos em curtos períodos de tempo. Já em relação aos valores previstos, algumas regiões podem ter mais 150 mm, como na parcela central de Minas Gerais. Nos estados de Rio de Janeiro e Espírito Santo, as chuvas serão causadas pelos ventos oceânicos. Entre a avaliação inicial e final do do período, a tendência é de aumento na disponibilidade de umidade no solo, contribuindo para o avanço do plantio de verão.

Região Centro-Oeste
As projeções indicam chuvas mais recorrentes e regulares na última semana do mês de outubro. Ainda é cedo para afirmar, mas há sinais da primeira ocorrência do corredor de umidade conhecido como Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), um importante regular de chuvas na região Centro-Oeste do Brasil. Contudo, até pelo menos o dia 22, as instabilidade seguem com um padrão de muita irregularidade, mesmo que haja condições para chuvas.  Considerando a previsão da variação de umidade no solo entre os dias 16 a 31 de outubro, existe uma tendência de aumento da umidade o que pode resultar num cenário positivo para o desenvolvimento inicial das lavouras que foram recém plantadas.
Região Nordeste
O predomínio é de uma massa de ar quente e seca na região, mantendo as condições de tempo firme na metade norte do nordeste até o final do mês. Apesar disso, algumas instabilidades isoladas e pontuais podem surgir ao norte do Maranhão e norte do Piauí, mas de maneira muito pontual e irregular, sem, inclusive, representar valores significativos na previsão. Contudo, na última semana do mês, a configuração de um corredor de umidade aumenta as condições de chuva na metade sul da região, com previsão de volumes significativos para a região e época do ano, com previsão de volumes acima dos 100 mm nos próximos 15 dias, mas que devem ocorrer a partir do dia 24/10.

Região Norte
As chuvas devem se concentrar em setores do norte e oeste da região, como em Roraima, Amazonas, Acre e Rondônia. Essas instabilidade seguem apresentando um comportamento muito irregular, com previsão de volume abaixo da média para o período. A maioria das chuvas, devem acontecer pela combinação entre o calor e umidade, resultando então na maior irregularidade. Já em setores do leste, como no estado do Pará, Amapá e norte do Tocantins, a tendência é de um período com poucas chuvas.

Material elaborado pelo metereologista, Gabriel Rodrigues com revisão de Aline Merladete
Estimado usuário.
Preencha o formulário abaixo para remeter a página.
O Portal do Conteúdo Agropecuário.

Aguarde….


Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.

source
Fonte: Agrolink

Publicar comentário