×

EUA restringem exportação de tecnologia para frear inteligência artificial na China

EUA restringem exportação de tecnologia para frear inteligência artificial na China

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
Os Estados Unidos restringiram ainda mais as exportações para a China de semicondutores e outras tecnologias fundamentais para evitar que o país asiático avance no setor da inteligência artificial.
As restrições têm como objetivo reforçar os regulamentos que foram anunciados em outubro do ano passado, explicou o Departamento de Comércio em comunicado enviado à Agência EFE nesta quarta-feira (18).
Os Estados Unidos argumentam que estas tecnologias avançadas de inteligência artificial, baseadas em semicondutores, representam uma ameaça para a segurança do país, uma vez que a China poderia utilizá-las para melhorar a velocidade e a precisão com as quais toma decisões no âmbito militar.
As restrições de Washington incidem sobre os semicondutores avançados, que são o cérebro por trás dos sistemas informáticos da próxima geração, incluindo modelos linguísticos avançados e outras aplicações de inteligência artificial.
Concretamente, estas novas regras afetam, entre outras, a Nvidia, sediada em Santa Clara, na Califórnia, a principal fornecedora de chips para treinar modelos avançados de inteligência artificial e a sexta empresa mais valiosa do mundo, informou o jornal The Washington Post.
Anteriormente, a Nvidia podia exportar para a China alguns chips que permitem o desenvolvimento de inteligência artificial, mas esses materiais também serão restritos.
Desde que assumiu a Casa Branca em janeiro de 2021, o presidente americano, Joe Biden, tem procurado limitar o acesso da China a tecnologias críticas, em um esforço para impedir que o país asiático alcance os EUA no desenvolvimento de semicondutores.
Biden vê a China como o maior concorrente dos EUA, mas não quer que essa competição termine em conflito aberto e, para isso, intensificou os contatos diplomáticos com o gigante asiático nos últimos meses.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: Gazeta do Povo

Publicar comentário