×

Procuradoria da Câmara aciona PGR contra ministro Silvio Almeida por abuso de poder

Procuradoria da Câmara aciona PGR contra ministro Silvio Almeida por abuso de poder

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
A Procuradoria da Câmara dos Deputados apresentou representação criminal à Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o ministro dos Direitos Humanos, Silvio Almeida, por abuso de poder.
O ministro é acusado de “valer-se indevidamente do poder político do seu cargo” para acionar a Advocacia-Geral da União (AGU) contra os deputados Nikolas Ferreira (PL-MG) e Filipe Barros (PL-PR) após críticas a uma resolução da pasta que orienta todas as escolas do país a permitirem o uso do banheiro de acordo com a identidade de gênero.
Na prática, a resolução abre brecha para que uma pessoa que se considere mulher, mesmo tendo nascido homem, use o banheiro feminino.
Após a publicação da resolução, no dia 22 de setembro de 2023, os deputados usaram as redes sociais para criticar a medida. Em seguida, o ministro negou participação na edição da medida e acusou os parlamentares de “fake news”.
A resolução é assinada por Janaína Barbosa de Oliveira, presidente do Conselho Nacional dos Direitos das Pessoas Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais, Queers, Intersexos, Assexuais e Outras (CNLGBTQIA+), órgão vinculado ao Ministério dos Direitos Humanos.
“A suposta ilicitude, em realidade, caracterizou tão somente a sempre aguerrida defesa dos ideais políticos dos deputados Filipe Barros e Nikolas Ferreira, ao promoverem críticas ao atual governo e, por conseguinte, ao ministro de estado Silvio Almeida […] Além de se valer indevidamente do cargo, o ministro o faz ao arrepio do postulado constitucional da inviolabilidade material (art. 53 da CF/88) que resguarda o Parlamento, cujo livre funcionamento materializa a própria existência de uma nação que se pretenda democrática”, diz um trecho da representação.
Pelas redes sociais, o deputado Nikolas Ferreira disse que a atitude do ministro tentou impedir o livre exercício das funções dos parlamentares.
“Atentar contra a imunidade parlamentar é atentar contra a Democracia, não aceitaremos esse tipo de conduta”, escreveu o deputado na rede social X, nesta sexta-feira (20).
Também pelas redes sociais, o deputado Filipe Barros disse que o ministro “cometeu crime ao tentar censurar a denúncia dos banheiros unissex”.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: G Bahia

Publicar comentário