×

Milei promete “melhor governo da história” enquanto Massa diz que querem “incutir medo”

Milei promete “melhor governo da história” enquanto Massa diz que querem “incutir medo”

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
O candidato libertário Javier Milei votou no começo da tarde deste domingo (22) no primeiro turno da eleição que vai escolher o próximo presidente da Argentina. Ele está tecnicamente empatado com o governista Sergio Massa, com quem disputa a cadeira presidencial da Casa Rosada.
Milei votou em meio a manifestações de apoio com centenas de pessoas, muitas delas jogaram flores na caravana que o levou para votar na sede da Universidad Tecnológica Nacional (UTN) dizendo que “Massa está com medo”. Ele também completa 53 anos de idade no mesmo dia da votação.
“Temos condições de fazer o melhor governo da história. Vamos conseguir colocar a Argentina de pé”, disse Milei a jornalistas após votar.
Milei convidou as pessoas a “votarem durante todo o dia” para que “não deixem que outros decidam por elas”. Ele também agradeceu aos cumprimentos que recebeu pelo aniversário e disse condenar os ataques terroristas do Hamas a Israel, expressando solidariedade ao povo israelense e “à sua legítima defesa”.
Por outro lado, o governista Sergio Massa se referiu a Milei como um “quarto escuro que representa o futuro da Argentina nos próximos quatro anos”, aos jornalistas logo após votar na cidade de Tigre, na Grande Buenos Aires. O “quarto escuro”, ou “cuarto oscuro”, como é chamado oficialmente, é a cabine onde os eleitores depositam seus votos.
Ele evitou comentar a expectativa de resultado da eleição deste domingo, e afirmou que seria um erro. “Você tem que esperar que as pessoas votem e tem que ser respeitoso. Em vez de forçar, vamos ouvir a voz das urnas”, disse.
“Na segunda-feira, a Argentina continua. Nossa responsabilidade é cuidar dos argentinos. Todo o resto é o que alguns querem para influenciar a vontade do povo, incutindo medo”, acrescentou.
De acordo com a mais recente pesquisa eleitoral argentina, Massa e Milei tem uma diferença de apenas 0,8% das intenções de voto. A eleição na Argentina chegou ao meio da tarde com um comparecimento de quase 45% dos cerca de 35 milhões de eleitores aptos a votar.
As urnas serão fechadas às 18h, com previsão de divulgar o resultado após às 22h. Para ganhar no primeiro turno, o candidato precisa ter pelo menos 45% dos votos, ou 40% e uma vantagem de, ao menos, 10 pontos sobre o segundo colocado. Já o segundo turno está marcado para o dia 19 de novembro.
A eleição presidencial argentina ocorre em um momento delicado para o país, onde a crise econômica já provocou uma inflação de mais de 130% em 12 meses e uma desvalorização crítica do peso em relação ao dólar.
Nas últimas semanas, o presidente Alberto Fernández, que apoia Massa para a sucessão, baixou um pacote que, entre outras medidas, congelou a cotação da moeda nacional e concedeu isenção ao imposto de renda de trabalhadores que ganham menos de 2 milhões de pesos.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: Gazeta do Povo

Publicar comentário