×

Funcionários da GM entram em greve após demissões em três fábricas

Funcionários da GM entram em greve após demissões em três fábricas

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
Funcionários de três fábricas da General Motors (GM) no Brasil iniciaram uma greve nesta segunda-feira (23) em protesto contra demissões anunciadas pela empresa no fim de semana por e-mails e telegramas. Os trabalhadores das unidades de São José dos Campos, São Caetano do Sul e Mogi das Cruzes, no estado de São Paulo, reivindicam a revogação das demissões e estabilidade no emprego.
Em resposta às demissões, o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos convocou uma greve por tempo indeterminado, com a única condição de retorno ao trabalho sendo o cancelamento de todas as demissões.
Valmir Mariano, vice-presidente do sindicato, declarou que “está declarada a guerra pelo cancelamento das demissões. O que a GM fez foi uma covardia e absoluto desrespeito aos trabalhadores e ao acordo assinado”, disse.
“Não vamos tolerar nenhuma demissão sequer. Vamos exigir dos governos federal e estadual medidas imediatas pelo cancelamento das demissões”, completou Mariano em nota. A paralisação foi aprovada em uma assembleia realizada nas primeiras horas do dia.
As três fábricas afetadas empregam milhares de trabalhadores. Em São José dos Campos, onde são produzidos os modelos S-10 e Trailblazer, cerca de 1,2 mil já estavam em layoff, uma suspensão temporária dos contratos de trabalho. São Caetano do Sul, responsável pelos modelos Spin, Tracker e Montana, emprega mais de 7 mil trabalhadores, enquanto a unidade de Mogi das Cruzes tem cerca de 500 funcionários e produz peças de montagem para a S10.
A GM alegou que as demissões são resultado da queda nas vendas e exportações e disse que tomou várias medidas, incluindo layoff e propostas de desligamento voluntário, antes de recorrer às demissões.
“Entendemos o impacto que esta decisão pode provocar na vida das pessoas, mas a adequação é necessária e permitirá que a companhia mantenha a agilidade de suas operações, garantindo a sustentabilidade para o futuro”, disse a montadora.
A greve, aprovada pelos sindicatos dos metalúrgicos nas três unidades, continua por tempo indeterminado, enquanto os trabalhadores aguardam uma resolução em relação às demissões e à estabilidade no emprego.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte Gazeta do Povo

Publicar comentário