×

Guiana diz que referendo da Venezuela sobre anexação ameaça segurança de todo o Caribe

Guiana diz que referendo da Venezuela sobre anexação ameaça segurança de todo o Caribe

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
O governo da Guiana criticou nesta terça-feira (24) a realização de um referendo na Venezuela, marcado por Caracas para 3 de dezembro, no qual a população venezuelana vai decidir se a ditadura de Nicolás Maduro deve tomar medidas para anexar cerca de 70% do território do país vizinho.
A Venezuela reivindica soberania sobre mais de 160 mil quilômetros quadrados de território guianense a oeste do rio Essequibo, que correspondem a cerca de 70% do território da Guiana.
A disputa vem desde 1899, quando uma sentença arbitral em Paris conferiu a soberania sobre a região ao Império Britânico. Após a independência da Guiana, em 1966, a briga jurídica continuou.
No mesmo ano, foi assinado o Acordo de Genebra, que determinou o controle da área pelos guianenses, mas admitiu a contestação da Venezuela. A disputa deveria ser resolvida em quatro anos, mas isso não aconteceu. Um processo tramita atualmente na Corte Internacional de Justiça (CIJ), sediada em Haia, na Holanda.
No comunicado, o governo guianense disse que o referendo e outras ações do regime de Maduro podem afetar “a segurança do Estado da Guiana e, por extensão, da região do Caribe”.
A respeito do referendo de dezembro, Georgetown alertou que as perguntas da consulta têm como objetivo “promover a reivindicação ilegal e infundada da Venezuela sobre mais de dois terços do território nacional da Guiana”.
“A questão cinco é a mais perniciosa: busca descaradamente a aprovação do povo venezuelano para a criação de uma nova nação venezuelana constituída pela região do Essequibo da Guiana, que seria incorporada ao território nacional da Venezuela”, afirmou.
As autoridades guianenses disseram que o objetivo de Caracas é “nada menos que a anexação do território da Guiana, em flagrante violação das normas mais fundamentais da Carta das Nações Unidas, da Carta da OEA [Organização dos Estados Americanos] e do Direito Internacional”.
“Tal confisco do território da Guiana constituiria um crime internacional de agressão”, apontou o comunicado.
Nesta segunda-feira (23), o Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela (CNE) divulgou as cinco perguntas que serão feitas no referendo de 3 de dezembro:
No X, o Ministério das Relações Exteriores da Venezuela criticou o comunicado da Guiana sobre o referendo.
“A Venezuela rejeita categoricamente as declarações infames e ofensivas do Governo da República Cooperativa da Guiana, a respeito do referendo consultivo agendado para 3 de dezembro de 2023, que estão carregadas de profundo desprezo pelo povo venezuelano”, afirmou a pasta.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: Gazeta do Povo

Publicar comentário