×

Mercados argentinos caem após Massa ser o mais votado no primeiro turno

Mercados argentinos caem após Massa ser o mais votado no primeiro turno

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
Os mercados de títulos e ações da Argentina caíram nesta segunda-feira (23) em uma reação adversa ao resultado da eleição presidencial deste domingo (22), onde o candidato peronista e atual ministro da Economia da Argentina, Sergio Massa, terminou em primeiro lugar à frente do candidato libertário Javier Milei.
Massa e Milei irão se enfrentar no segundo turno marcado para o dia 19 de novembro, o que amplia ainda mais a forte incerteza que domina os investidores sobre o futuro da segunda maior economia da América do Sul.
A reação nos mercados de câmbio foi mista, mas igualmente eloquente quanto à volatilidade que prevalece nos círculos financeiros da Argentina, que aguardam uma decisão sobre quem comandará o país a partir de 10 de dezembro.
Ninguém esperava que Massa, da coalizão peronista União pela Pátria, obtivesse a maioria dos votos no domingo – 36,68%. Incluindo o mercado, que até o final da semana passada dava como quase certa uma vitória em primeiro turno para o economista Javier Milei, da coalizão A Liberdade Avança, que no fim obteve 29,98% e enfrentará Massa novamente em novembro.
“A volatilidade se estenderá por mais um mês, porque por fim haverá um segundo turno que o mercado não precificou. O mercado havia apostado, especialmente na sexta-feira [20], em uma vitória de Milei”, comentou Soledad López, da consultora Rava Bursátil.
Os títulos soberanos argentinos caíram em média 7% em dólares nesta segunda-feira, e o índice S&P Merval, das principais ações da Bolsa de Valores de Buenos Aires, despencou 12,36%.
De acordo com o economista argentino Gustavo Ber, o “resultado surpreendente deixado pelas eleições amplia a incerteza” a caminho do segundo turno, uma etapa pela qual os investidores passarão “com um tom ainda cauteloso e volátil”.
Um dos focos de atenção será o comportamento dos mercados de câmbio, com um Banco Central que promete apoiar a taxa de câmbio oficial, mas cujo nível de reservas é crítico.
Nesta segunda-feira, o valor do dólar americano no mercado informal fechou em 1,1 mil pesos por unidade, quase três vezes a taxa oficial que quase ninguém pode acessar. Já a principal referência para os chamados “dólares financeiros” chegou a um patamar 171% mais alto do que o da taxa oficial, porque o resultado de domingo já não deixa tão claro que a Argentina terá uma dolarização da economia, como Milei propõe.
Além disso, a administração de Massa tentará previsivelmente acalmar as tensões da taxa de câmbio, ao menos até o segundo turno.
Massa, de fato, insistiu nesta segunda-feira, em uma reunião com a imprensa internacional da qual a Agência EFE participou, em enviar sinais positivos aos mercados, não apenas para atravessar as próximas semanas com serenidade, mas também com o objetivo de gerar certeza com vistas a seu eventual governo, no qual ele promete colocar em “ordem” a economia argentina, que tem sido “atormentada por profundos desequilíbrios”.
“O que o mundo espera da Argentina é equilíbrio, racionalidade, bom senso. O que ele espera é temperança. O que ele espera é previsibilidade”, disse Massa, que garantiu que a Argentina voltará a crescer em 2024.
O “choque” de confiança que Massa busca é exatamente o que a agência de classificação DBRS Morningstar informou nesta segunda-feira que o próximo governo da Argentina precisará para tirar da crise uma economia que está “à beira do abismo”.
“Se Massa ou Milei conseguirem formar uma coalizão duradoura que rapidamente dê apoio a um plano de estabilização abrangente, a Argentina poderá sair da crise”, disse Michael Heydt, vice-presidente sênior de classificações soberanas globais da DBRS Morningstar.
Caso contrário, de acordo com ele, “é provável que as perspectivas sejam caracterizadas por uma inflação altíssima, uma profunda recessão econômica e incerteza política”.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: Gazeta do Povo

Publicar comentário