×

Partido da coalizão de Bullrich anuncia “neutralidade” no segundo turno da Argentina

Partido da coalizão de Bullrich anuncia “neutralidade” no segundo turno da Argentina

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
Após a candidata de centro-direita Patricia Bullrich, que representou a coalizão Juntos pela Mudança no primeiro turno das eleições presidenciais argentinas, anunciar seu apoio ao candidato libertário Javier Milei neste segundo turno, o partido União Cívica Radical (UCR), que integrou a coalizão de Bullrich, realizou uma reunião interna em seu comitê nacional onde decidiu que ficará “neutro” perante a disputa entre Milei e o peronista Sergio Massa.
No anúncio, Gerardo Morales e Martín Lousteau, líderes da UCR, que tem viés de esquerda, criticaram fortemente Bullrich e o ex-presidente da Argentina Mauricio Macri (2015-2019), afirmando que ambos decidiram “abandonar a coalizão Juntos pela Mudança”. Morales rotulou a decisão de Bullrich em apoiar Milei como “intolerável”.
“A UCR não apoiará nenhum dos dois candidatos. Nenhum deles garante um futuro de progresso para a Argentina”, disseram os líderes.
A UCR afirmou que a “ideologia extremista” de Milei está em contraste com os “princípios do partido” e caracterizaram Massa como corresponsável, juntamente com o atual presidente da Argentina, Alberto Fernández, e a vice-presidente do país, Cristina Kirchner, pelo atual estado de crise do país, que se encontra neste momento imerso na hiperinflação e na pobreza.
Os líderes da UCR enfatizaram que nesse momento os membros da coalizão Juntos pela Mudança precisam passar por uma “reflexão e autocrítica” e destacaram que, a partir de 10 de dezembro, o partido atuará como uma “oposição ao novo governo eleito”.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: Gazeta do Povo

Publicar comentário