×

Lula demite presidente da Caixa e nomeia indicado de Lira

Lula demite presidente da Caixa e nomeia indicado de Lira

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) demitiu, no começo da tarde desta quarta (25), a presidente da Caixa Econômica Federal, Rita Serrano. A demissão foi anunciada à executiva em uma reunião no Palácio do Planalto.
O cargo de Rita estava na mira dos partidos do Centrão para ampliar a base governista na Câmara dos Deputados. A presidência do banco estatal será assumida pelo economista Carlos Antônio Vieira Fernandes, indicado de Arthur Lira (PP-AL).
Fernandes é funcionário de carreira da Caixa e deve ser apenas o primeiro ligado ao PP a ocupar cargos na instituição. Há, ainda, outras diretorias que podem entrar na negociação pela ampliação da base governista na Câmara.
A demissão da executiva vinha se arrastando desde julho, quando o PP começou a pressionar o governo pela troca. No entanto, Lira negava qualquer intenção de indicar alguém para ocupar cargos na Esplanada, e reforçava que a escolha de ministros era uma prerrogativa do presidente.
Rita é a quarta indicada por Lula no começo do governo a cair para acomodar o Centrão. Além dela, também tiveram de sair da Esplanada as ministras Daniela Carneiro (Turismo) e Ana Moser (Esporte) e o ministro Márcio França (Portos e Aeroportos).
Os cargos foram ocupados por Celso Sabino (União-PA), André Fufuca (PP-MA) e Silvio Costa Filho (Republicanos-PE), respectivamente. O Centrão ainda pede, entre outros cargos nos primeiros escalões do governo, a presidência da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), que tem uma licitação alvo de auditoria no Tribunal de Contas da União (TCU).
Enquanto Daniela Carneiro e Ana Moser deixaram a Esplanada, Márcio França foi nomeado para o Ministério da Micro e Pequena Empresa, criado logo depois para acomodá-lo na cota do PSB — o vice-presidente Geraldo Alckmin também é do partido.
Há a possibilidade, ainda, de Lula criar mais uma pasta, a da Segurança Pública, como adiantou na live semanal “Conversa com o Presidente” desta terça (24). O tema faz parte, atualmente, do Ministério da Justiça, mas ter uma estrutura própria é uma promessa de campanha do presidente.
O bloco de partidos que forma o Centrão chegou a pedir, ainda, os ministérios da Saúde ou do Desenvolvimento e Assistência Social, mas estes Lula garantiu que não faria qualquer troca. A ministra Nísia Trindade chegou a ser defendida publicamente pelo presidente, enquanto que a segunda pasta é considerada estratégica principalmente para o PT, por conta da gestão do programa Bolsa Família.
Além da pressão do Centrão por mais cargos, Rita Serrano também ficou na corda-bamba após a Caixa autorizar a realização de uma exposição com obras que retratam políticos em situações controversas, revelada no começo desta semana.
O banco estatal liberou R$ 250 mil para a mostra “O Grito”, em que uma das obras gerou tensão no meio político. O quadro retratava Lira, a senadora Damares Alves (Republicanos-DF) e o ex-ministro Paulo Guedes em uma lata de lixo coberta pela bandeira do Brasil. A exposição foi cancelada após a revelação, em que a Caixa afirma que identificou uma “manifestação com viés político”, o que viola as diretrizes da empresa.
Em uma nota oficial publicada pouco depois da demissão, Lula elencou alguns dos feitos de Rita Serrano à frente da presidência da Caixa. Veja abaixo a nota completa divulgada pela Secretaria de Comunicação Social (Secom), da Presidência da República, confirmando a demissão:
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reuniu nesta quarta-feira (24/10), com a presidenta da Caixa Econômica Federal, Rita Serrano, e agradeceu seu trabalho e dedicação no exercício do cargo.
Serrano cumpriu na sua gestão uma missão importante de recuperação da gestão e cultura interna da Caixa Econômica Federal, com a valorização do corpo de funcionários e retomada do papel do banco em diversas políticas sociais, ao mesmo tempo aumentando sua eficiência e rentabilidade, ampliando os financiamentos para habitação, infraestrutura e agronegócio.
Na gestão de Serrano foram inauguradas 74 salas de atendimento para prefeitos em todo o país, cumprindo um compromisso de campanha.
O governo federal nomeará o economista Carlos Antônio Vieira Fernandes para a presidência do banco, dando continuidade ao trabalho da Caixa Econômica Federal na oferta de crédito na nossa economia e na execução de políticas públicas em diversas áreas sociais, culturais e esportivas.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte Gazeta do Povo

Publicar comentário