×

STF autoriza Moraes a auxiliar a acusação do processo do qual é vítima

STF autoriza Moraes a auxiliar a acusação do processo do qual é vítima

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
Desde a última sexta-feira (27), o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), assumiu formalmente o papel de assistente de acusação no processo que investiga o episódio ocorrido em julho no aeroporto internacional de Roma, no qual ele próprio e o seu filho, Alexandre Barci de Moraes, foram supostamente hostilizados por uma família de brasileiros. Ao testemunhar como vítima, o juiz relatou ter sido chamado de “bandido, comunista e comprado” quando se dirigia à sala VIP no terminal italiano.
Durante o incidente, o filho do ministro afirmou ter levado um tapa de um dos acusados, Roberto Mantovani. Dias depois, o empresário e outros dois investigados, sua esposa Andrea e o genro Alex Zanatta, tiveram celulares e computadores apreendidos pela Polícia Federal (PF) e negaram ter havido qualquer agressão física durante interrogatórios. O ministro Dias Toffoli, relator do caso no STF, autorizou que Alexandre de Moraes, sua esposa e seus filhos sejam assistentes do Ministério Público Federal (MPF) na atual fase do processo.
Toffoli rejeitou questionamentos da vice-procuradora-geral da República, Ana Borges Coêlho Santos, sobre a decisão, tomada antes mesmo de o próprio MPF decidir se fará ou não acusação formal contra os suspeitos. Na prática, o STF permitiu Moraes e seus familiares questionarem testemunhas, sugerirem provas e perícias, entre outras medidas. A maior polêmica até agora no processo foi a exclusão dos peritos criminais federais. Coube a um agente da PF analisar as imagens de câmeras de segurança do aeroporto. No seu relatório, concluiu que o filho de Moraes sofreu “aparente tapa”.
Essa análise é questionada pela defesa dos acusados e diverge da conclusão feita pela polícia italiana, que não encontrou agressão física nas imagens, mas apenas um bate-boca. Com base nessas divergências, os advogados de Mantovani, da esposa e do genro pediram o compartilhamento do material fornecido pela cooperação, o que foi negado por Dias Toffoli na segunda-feira (24), mantendo o sigilo decretado anteriormente. Neste sábado (28), os defensores também encaminharam à PF requerimento para que as imagens sejam enviadas para a análise do Instituto Nacional de Criminalística, sob o argumento da necessidade de parecer isento.
A corregedoria da PF reagiu contra esses questionamentos e abriu procedimento disciplinar contra o presidente da Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF), Willy Hauffe Neto, após ele declarar que o laudo da PF não deveria ser tratado como prova em razão de suposta parcialidade. Em comunicado, a corporação afirmou que as imagens foram adequadamente analisadas por uma equipe de profissionais qualificados e que não há suspeitas de falta de integridade, adulteração ou edição.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: G Bahia

Publicar comentário