×

Petrobras comprou créditos de carbono de projeto com suspeita de desmate e licença negada

Petrobras comprou créditos de carbono de projeto com suspeita de desmate e licença negada

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
A Petrobras comprou seus primeiros créditos de carbono em setembro para lançar sua nova gasolina Podium, que chamou de “única gasolina carbono neutro do país”. Mas o projeto Envira Amazônia, pelo qual a estatal diz ter compensado a emissão de 175 mil toneladas de gases de efeito estufa, é suspeito de usar áreas já desmatadas (e irregularmente) na contabilidade desses créditos, além de uma linha de base inferior de medida para neutralizar as emissões.
Esses problemas levaram a certificadora Verra a negar a renovação da licença do projeto. A negativa ocorreu no dia 23 de maio de 2023, três meses e meio antes do anúncio da compra de créditos e da gasolina “carbono zero” da Petrobras, em setembro.
De acordo com uma análise encomendada pela Verra, falta esclarecer se o desmate foi planejado e com as devidas licenças. Um outro problema, segundo reportagem da “Folha de S.Paulo” e a organização não governamental WRM, é a presença de comunidades extrativistas de seringueiros dentro e fora do imóvel rural, que contestam a posse do terreno.
Há outro porém na compra de créditos de carbono da Petrobras. Em janeiro, o jornal britânico The Guardian revelou que vários estudos concluíram que mais de 90% dos créditos de compensação de florestas tropicais de projetos certificados pela Verra em vários países são provavelmente “créditos fantasmas”.
A empresa, que é a maior organização mundial em certificação de créditos de carbono, com clientes como Disney, Shell e Gucci, questiona as metodologias dos estudos. Afirma que as conclusões deles são incorretas. À Gazeta do Povo, a Verra ressaltou que não tem autoridade sobre os créditos que já foram comercializados.
A Gazeta do Povo procurou a Petrobras sobre o caso desde o dia 13 de outubro. A empresa, porém, só respondeu na segunda-feira (30), após a publicação da reportagem. Disse que a área em questão onde comprou os créditos é particular, não foi desmatada e está preservada.
“A negativa [da renovação da certificação] não representa uma rejeição do projeto. O responsável pelo projeto pode prover mais detalhes. Entretanto, é importante ressaltar que a Petrobras adquiriu créditos das safras 2019, 2020 e 2021 que estão integralmente válidos, não relacionados à mudança de linha de base solicitada posteriormente”, respondeu a estatal.
A Gazeta do Povo também procurou a CarbonCO, LCC e JR Agropecuária, responsáveis pelo Envira Amazônia, mas nenhuma delas respondeu.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: G Bahia

Publicar comentário