×

Preço do azeite de oliva sobe no mundo e Espanha tem até roubos de cargas de azeitonas

Preço do azeite de oliva sobe no mundo e Espanha tem até roubos de cargas de azeitonas


País europeu é o maior produtor mundial do fruto, mas seca tem diminuído drasticamente a colheita. No Brasil, o preço do produto ficou 24,5% mais caro nos últimos 12 meses, até a metade de outubro, segundo o IBGE. Existem muitos tipos de azeite no mercado, o que pode despertar dúvidas nos consumidores.
Shutterstok/ adaptação Vale Fértil
O preço do azeite de oliva ficou 24,5% mais caro nos últimos 12 meses até a metade de outubro, segundo dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Esse encarecimento é causado pela seca na Europa, que sofre a terceira grande queda na colheita das oliveiras consecutiva devido às altas temperaturas.
O Brasil é o segundo maior importador de azeite do mundo, segundo o Conselho Oleícola Internacional (COI). Apenas 1% do que é consumido no país é plantado nele mesmo. Por isso, o preço do azeite no mercado interno acaba sendo influenciado pelo que acontece nos principais países produtores.
Na Europa, o preço do produto dobrou, segundo dados da Comissão Europeia. Isso está impactando a economia de três grandes produtores: Espanha, Itália e Grécia, que são responsáveis por 66% da produção mundial. Além disso, o azeite é fundamental para a economia de Portugal.
A seca já está tão intensa que a população local tem feito procissões pedindo pela chuva, afirma Matheus Peçanha, economista do Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) da Fundação Getúlio Vargas (FGV).
Além disso, na Espanha, carregamentos de azeitonas têm sido roubados (saiba mais abaixo).
Entre 2022 e 2023, a produção de azeite caiu 20% na Europa, fazendo com que compradores se voltassem para produtores alternativos, como Turquia, Tunísia, Marrocos e Argélia.
Mas a queda da produção e a escassez do azeite fez esses países alternativos imporem limites mais rígidos às exportações, em alguns casos chegando à proibição, em uma tentativa de controlar melhor os preços internos, aponta Peçanha. Contudo, isso acabou aumentando ainda mais os valores no mercado internacional.
Caroço da azeitona também tem azeite e oliveira só dá frutos quando passa frio
Flor queimada
Entre os principais produtores mundiais do azeite de oliva, a Espanha fica em primeiro lugar, com 40% do volume mundial. Ela tem sido bastante afetada pelas mudanças climáticas.
No país europeu, a safra já caminha para o seu terceiro ano de queda consecutivo, aponta o produtor de azeite Jeronimo Santos, que esteve no país estudando o cultivo nesta segunda quinzena de outubro e é ganhador do prêmio instituído pelo COI. “Mário Solinas”.
Entre as safras 2021/2022 e 2022/2023 a queda da colheita na Europa foi de cerca de 37%. Apenas na Espanha foi de quase 45%, aponta a Comissão Europeia.
As expectativas é que a safra 2023/2024, que está em época de colheita, fique na mesma quantidade, segundo o produtor.
Isso aconteceu porque não está chovendo com a frequência necessária para o desenvolvimento das oliveiras. A seca se agravou ainda mais entre fevereiro e março deste ano, aponta Peçanha.
“Este ano, de uma maneira incrível, houve na Europa uma onda de calor por 15 dias, exatamente o período em que as árvores abriram as flores. A temperatura foi tão alta que as flores simplesmente queimaram, como um cigarro queimado”, diz Santos.
O período de floração é o mais sensível para o desenvolvimento das azeitonas, de onde o azeite é extraído.
Santos relata que as árvores, que normalmente desenvolvem 80 kg de azeitona, estão gerando apenas 25 kg nas principais regiões produtoras.
Saiba também: ‘Cozinhou a plantação’ – seca no Norte leva a perda de lavouras, e calor mata milhares de peixes
Sem perspectiva
Sem fruto nas árvores, mas com um consumo que se mantém alto, os estoques de azeite na Europa estão zerando, afirma Santos.
Além disso, não existe uma perspectiva de curto prazo para essa recuperação. O produtor estima que levaria cerca de 3 anos, caso todas as safras desse período sejam boas. Se as quedas continuarem, não há um prazo para a melhora da produção e dos preços.
O agricultor explica que a azeitona é colhida apenas durante três meses ao ano, para o fornecimento de azeite pelo ano inteiro. Por isso, é fundamental ter uma boa produção para formação de estoques.
Leia também:
Azeitonas verdes e pretas nascem na mesma árvore? O gosto é diferente? Veja curiosidades
Tá na dúvida? Veja dicas de como escolher um azeite de qualidade no supermercado
Roubo de azeite
Na Espanha, o preço do azeite já o tornou artigo de luxo e cargas do produto, bem como de azeitonas, têm sido roubadas. Em agosto, carregamentos de 50 mil e 60 mil litros de azeite extravirgem foram furtados, segundo o jornal local La Vanguarda.
E não foi a primeira vez. Em março, 16 pessoas foram presas por suspeita de roubo de 17,5 toneladas de azeitonas.
Para Santos, isso se dá porque a fruta está valendo o dobro do preço e a colheita é a etapa mais cara. “Então, o sujeito pega um caminhão já abastecido ou até colhe o azeite durante a noite, focado em algo que precisa ter um valor importante, porque senão, não valeria a pena, né?”, afirma.
Saiba mais sobre a produção de azeite
De onde vem o azeite
Oliveiras podem viver por milênios
Azeitonas verdes e pretas: nascem na mesma árvore? O gosto é diferente? Veja curiosidades
source
Fonte: G1

Publicar comentário