×

Hezbollah diz que escalada da guerra depende das novas ações de Israel em Gaza e no Líbano

Hezbollah diz que escalada da guerra depende das novas ações de Israel em Gaza e no Líbano

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
O líder do grupo xiita libanês Hezbollah, Hassan Nasrallah, disse nesta sexta-feira (3) que a possível escalada do confronto com Israel dependerá das próximas ações na Faixa de Gaza e de como o país vai agir na fronteira com o Líbano.
“A frente do Líbano e sua escalada dependem de duas coisas: a primeira é o desenvolvimento dos eventos em Gaza e a segunda é como o inimigo sionista se comporta em relação ao Líbano”, afirmou o clérigo em seu primeiro discurso público desde o início da guerra na Faixa de Gaza e os confrontos que se seguiram na fronteira libanesa.
Em um longo discurso que durou mais de uma hora, Nasrallah considerou possível que os ataques cruzados com Israel possam acabar desencadeando uma “guerra prolongada”, no momento em que os dois lados estão envolvidos em intensos confrontos na fronteira do Líbano há quase um mês.
Ele defendeu as ações do Hezbollah na fronteira norte de Israel desde o início da escalada da violência na Faixa de Gaza, com o bombardeio contínuo do território por parte dos militares israelenses.
“Essas operações deixaram os líderes militares preocupados com o fato de que essa frente de batalha iria para uma guerra extensa. Isso pode acontecer e eles precisam levar isso em conta”, declarou o clérigo xiita.
Entre as expectativas desse discurso, que foi acompanhado no Líbano com grande interesse, estava uma possível “declaração de guerra” ou o anúncio de uma extensão das hostilidades, passo que o clérigo não deu.
“Todos nós devemos estar prontos para todas as possibilidades. Com toda a transparência, clareza e ambiguidade, todas as opções na frente libanesa estão abertas, e podemos recorrer a elas a qualquer momento”, disse Nasrallah.
“Nosso grupo já entrou em combate contra Israel em 8 de outubro. O que está acontecendo na frente libanesa é muito importante para a luta em Gaza, mesmo que alguém possa dizer que o que está acontecendo é modesto”, acrescentou.
O líder do Hezbollah disse que a estratégia do grupo de “aumentar as operações” contra Israel serviu para forçar o país a trazer militares para a fronteira libanesa, aliviando assim parte da pressão sobre a Faixa de Gaza.
“Todo o Exército israelense está agora na fronteira com o Líbano. Além disso, metade de sua força naval está na nossa fronteira, e um quarto da força aérea agora também está dedicada a nós. Esse é um dos frutos diretos da ação”, afirmou Nasrallah.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: Gazeta do Povo

Publicar comentário