×

Massa tenta se descolar de Cristina na reta final da eleição: “Não terá influência no meu governo”

Massa tenta se descolar de Cristina na reta final da eleição: “Não terá influência no meu governo”

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
Candidato governista à presidência da Argentina, o ministro da Economia, Sergio Massa, tenta se descolar da vice-presidente e ex-presidente Cristina Kirchner, desgastada pelos anos de fiasco econômico do peronismo e por uma condenação por corrupção, no final do ano passado.
Em entrevista ao canal LN+ no domingo (5), Massa afirmou que Kirchner não terá qualquer participação no seu governo caso ele seja eleito no segundo turno, no próximo dia 19 – seu adversário será o libertário Javier Milei.
“Cristina não vai ter influência no meu governo. A partir de 10 de dezembro [data da posse], serei eu quem tomará as rédeas do Estado”, disse.
Em dezembro do ano passado, Cristina Kirchner foi condenada a seis anos de prisão e inabilitação perpétua para o exercício de cargos públicos por irregularidades na concessão de 51 obras públicas ao empresário Lázaro Báez na província de Santa Cruz, berço político do kirchnerismo, durante as presidências do falecido Néstor Kirchner (2003-2007) e de Cristina (2007-2015).
Na entrevista ao LN+, Massa disse que não coloca “a mão no fogo por ninguém” quando perguntado sobre o caso. “Cristina está deixando a vida pública, de ser vice-presidente e não vai ter cargos públicos. Não vai se meter em nada, como não se meteu este ano em meu trabalho no ministério”, afirmou o ministro.
Massa desconversou quando perguntado sobre um processo de impeachment contra ministros da Suprema Corte que tramita no Congresso argentino, impulsionado por parlamentares kirchneristas. “Não li os argumentos do processo”, disse.
O atual ministro da Economia foi chefe do Gabinete de Ministros entre 2008 e 2009, quando Cristina Kirchner era presidente, mas após sua saída, começou a criticar a corrupção na administração peronista, postura que manteve na eleição presidencial de 2015, quando foi o terceiro colocado.
Entretanto, nos últimos anos, voltou a se reaproximar do peronismo, a ponto de ser o candidato do movimento político para a presidência argentina mesmo com o país enfrentando uma inflação que chegou a 138,3% em setembro no acumulado em 12 meses.
Quando Massa assumiu o Ministério da Economia, em agosto do ano passado, o índice interanual estava em 64%.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: Gazeta do Povo

Publicar comentário