×

Padre Lancellotti chama Israel de “Estado assassino” em evento pró-Hamas

Padre Lancellotti chama Israel de “Estado assassino” em evento pró-Hamas

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
Ao discursar em evento pró-Hamas em São Paulo (SP) neste fim de semana, o padre Julio Lancellotti, aliado de figuras de esquerda como o deputado federal Guilherme Boulos (Psol-SP), chamou Israel de “Estado assassino”. De acordo com o site Opera Mundi, o ato em favor dos terroristas do Hamas reuniu cerca de dez mil manifestantes.
“Israel, além de ser um Estado assassino, é um Estado covarde que diz que é direito de defesa. Direito de defesa não é matar, direito de defesa não é ser covarde, ser assassino como está sendo. Graças a Deus, nem todos os judeus e nem todos os israelitas comungam e apoiam esse governo assassino, esse governo que mata e que destrói o povo palestino”, diz o padre em um trecho do discurso publicado em suas redes sociais. 
“Estar aqui, hoje, é uma grande emoção e eu me sinto palestino”, completou o padre enquanto discursava sob aplausos dos militantes.
Segundo o Opera Mundi, o ato reuniu movimentos sociais, centrais sindicais e organizações estudantis. Apesar de exaltar o evento, o site reclamou da falta de parlamentares e de bandeiras de partidos políticos na manifestação.
Aos gritos, os manifestantes cobraram o rompimento das relações entre o governo petista e Israel e entoaram músicas de exaltação ao Hamas e outras facções terroristas.
“[…] 79 foi o Irã. Em 2000, o Hezbollah. Em 21, o Talibã. Agora é hora do Hamas, olê, olê, olê”, diz o trecho de uma música cantada em ritmo de samba pelos militantes.
Também em discurso durante a manifestação, o fundador do Opera Mundi, o jornalista Breno Altman, disse que “o sionismo é uma das correntes racistas mais perversas da história” e defendeu a união das esquerdas contra Israel.
No início da guerra, o jornalista comemorou a entrada do Hezbollah no conflito e comparou judeus a ratos.
Altman também lamentou que o governo brasileiro esteja buscando responsabilizar igualmente os dois lados do conflito. O jornalista defende a narrativa de que o Hamas está apenas reagindo contra um suposto colonialismo de Israel.
Para Altman, não basta não chamar o Hamas de terrorista, é preciso condenar as reações de Israel ao massacre planejado e executado pelos terroristas contra civis desarmados, incluindo mulheres, idosos e crianças.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: G Bahia

Publicar comentário