×

Ataques de paramilitares do Sudão em Darfur matam 200 pessoas em quatro dias

Ataques de paramilitares do Sudão em Darfur matam 200 pessoas em quatro dias

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
Ao menos 200 pessoas foram mortas nos últimos quatro dias em uma cidade próxima a El Geneina, capital do estado de Darfur Ocidental, no Sudão, em consequência de um ataque do grupo paramilitar Forças de Apoio Rápido (FAR), depois que o Exército do país se retirou da região.
O secretário-geral do Crescente Vermelho sudanês, Adam Haroum, disse em comunicado divulgado nesta terça-feira (7) que as “FAR cometeram um massacre na aldeia de Erdamta, perto de El Geneina, depois que o Exército se retirou, e que o número inicial de mortos chegou a mais de 200”.
Os Comitês de Emergência de Darfur Ocidental, que são formados por sindicatos de médicos e profissionais de saúde da região, disseram em outra nota que “o número de mortos é superior a 300”.
Erdamta fica a sete quilômetros de El Geneina e é local do quartel-general da 15ª Divisão do Exército, que se retirou no sábado (4) com o avanço das FAR, anunciaram os paramilitares em vários vídeos e comunicados veiculados no X (antigo Twitter).
De acordo com Haroum, que fugiu para o Chade, as FAR mataram oito membros de sua família, e outros 20 estão desaparecidos. Ele disse que um grande número de pessoas foram presas e levadas para áreas desconhecidas, embora mais de 20 mil pessoas, em sua maioria mulheres, crianças e idosos, tenham conseguido cruzar a fronteira e fugir para a cidade chadiana de Adre.
“As FAR emboscaram os que fugiam para o Chade e mataram um grande número deles (…) Invadiram todas as casas em Erdamta, separaram mulheres e homens e mataram a maioria deles, especialmente os jovens”, acrescentou.
De acordo com o chefe do Crescente Vermelho sudanês, as FAR cometeram esse massacre porque a maioria dos moradores da região é formada por parentes de militares.
O coordenador humanitário adjunto da Organização das Nações Unidas (ONU) no Sudão, Toby Harrod, descreveu os relatos e as imagens da cidade de Erdamta como “horríveis” e disse que “os relatos incluem assassinatos, graves violações e massacres contra civis, após o controle da área pelas FAR”.
A ONG Médicos Sem Fronteiras (MSF) afirmou nesta terça-feira que cerca de 7 mil pessoas cruzaram a fronteira do Sudão com o Chade nos três primeiros dias de novembro, devido ao aumento dos combates na região de El Geneina, em Darfur Ocidental, entre o Exército sudanês e as FAR.
“Nos primeiros três dias de novembro, vimos mais chegadas de refugiados sudaneses do que durante todo o mês anterior: cerca de 7 mil pessoas cruzaram a fronteira”, disse em comunicado Stephanie Hoffman, coordenadora da MSF em Adre, cidade chadiana localizada na fronteira com o Sudão.
Somente no último fim de semana, as equipes da MSF receberam 36 feridos, entre os milhares de refugiados do Sudão, a maioria mulheres e crianças que chegaram ao Chade “sem nada, pois suas casas estavam sendo destruídas”, de acordo com Hoffman.
A diretora da MSF, Claire Nicolet, lamentou que “a resposta humanitária ainda não seja proporcional à escala da crise no leste do Chade”, reiterando seu pedido de “um aumento imediato da ajuda humanitária para os mais vulneráveis (…) e a garantia do acesso a serviços básicos como água, cuidados médicos, abrigo e alimentos”.
As declarações das fontes humanitárias foram feitas no mesmo dia em que Arábia Saudita, os Estados Unidos e a Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento, mediadores do conflito sudanês, anunciaram um compromisso entre o exército e os paramilitares de tomar medidas para facilitar a ajuda humanitária e adotar medidas para um cessar-fogo.
O Exército do Sudão e as FAR estão em guerra desde o dia 15 de abril, quando os paramilitares se rebelaram devido a divergências sobre sua integração às Forças Armadas do país, e em meio a um processo de transição após o golpe arquitetado pelos militares em 2021.
Até o momento, a violência matou cerca de 9 mil pessoas e forçou mais de 6 milhões de pessoas a deixarem suas casas. Outros 25 milhões de sudaneses precisam urgentemente de ajuda humanitária, de acordo com as Nações Unidas.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: Gazeta do Povo

Publicar comentário