×

PEC da Reforma Tributária não é nota 10, mas merece 7,5 com louvor, diz Haddad

PEC da Reforma Tributária não é nota 10, mas merece 7,5 com louvor, diz Haddad

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
Ao comemorar a aprovação do texto-base da Reforma Tributária no Senado, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, reclamou da “polarização do debate”, que teria sido responsável pela votação apertada, e disse que apesar dos problemas no texto, a Reforma trará investimentos para o Brasil.
“Estamos saindo de um sistema tributário nota 2, não para um sistema nota 10, porque teve que haver muita discussão e acordo para chegar a esse resultado, mas certamente estaremos, se promulgada, numa situação muito mais confortável. Essa PEC merece nota 7,5 com louvor. Pode ser admirada por investidores e trazer investimentos para o Brasil” disse o ministro.
O Senado aprovou o texto-base com 53 votos favoráveis e 24 contrários. Para Haddad, o placar reflete a polarização criada pela oposição.
“Precisávamos de 49 votos, houve muita atuação por parte da oposição contra a reforma, que polarizou o debate, é questão de Brasil. A PEC sequer foi apresentada neste governo, estava tramitando desde 2019, mas quero crer que se nós colocarmos o Brasil acima disso podemos inclusive ampliar esse placar”, afirmou.
Haddad também disse que o Congresso terá 240 dias para aprovar leis complementares da Reforma e que não há problemas em votar pontos de discordância depois.
“Se houvesse uma mudança como de IVA dual para IVA unitário, aí poderíamos ter um ano de discussão, mas não é o caso. Tudo que vai ser discutido agora é pontual. Temos 240 dias depois da promulgação para mandar as leis complementares. Senado e Câmara sabem que tem muito trabalho pela frente”, ressaltou o ministro.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte Gazeta do Povo

Publicar comentário