×

Chanceler israelense critica Guterres e questiona sua liderança na ONU

Chanceler israelense critica Guterres e questiona sua liderança na ONU

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
O Ministro das Relações Exteriores de Israel, Eli Cohen, fez novas críticas contundentes nesta terça-feira (14) contra o atual secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, durante sua visita oficial ao escritório da organização em Genebra, na Suíça, afirmando que ele “não merece ser o chefe das Nações Unidas”.
Cohen, acompanhado por familiares de reféns que estão sob controle dos terroristas do Hamas na Faixa de Gaza, estava no local para pressionar organizações internacionais para atuar em prol da libertação dos sequestrados.
Durante uma coletiva de imprensa na sede europeia das Nações Unidas, Cohen argumentou que Guterres “não promoveu nenhum processo de paz na região” e sugeriu que o secretário-geral deveria se posicionar “mais firmemente contra o grupo terrorista Hamas”. Segundo o chanceler israelense, o Irã, que defende a destruição de Israel, “não deveria ser membro da ONU”. Ele também criticou Guterres por se reunir com representantes do país islâmico.
Cohen ressaltou que Guterres, assim como todas as nações livres, deveria declarar de forma “clara e contundente” que Gaza deve ser “libertada do controle do Hamas”, considerando o grupo como ainda “pior do que o Estado Islâmico”. O chanceler também teve encontros com outras autoridades, incluindo o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, buscando apoio internacional para a causa israelense.
Antes da coletiva, Cohen se reuniu com a presidente do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, Mirjana Spoljaric, buscando a colaboração da organização para “mediar a libertação de reféns na Faixa de Gaza”. O ministro pediu que a Cruz Vermelha “utilize sua experiência na defesa de prisioneiros de guerra e civis em conflitos”, visando obter provas de que os reféns estão vivos ou facilitar sua libertação. (Com Agência EFE)
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: Gazeta do Povo

Publicar comentário