×

Lula manda recado aos argentinos mesmo reconhecendo que não pode opinar sobre eleição

Lula manda recado aos argentinos mesmo reconhecendo que não pode opinar sobre eleição

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) mandou um recado aos argentinos a cinco dias da eleição presidencial que pode mudar os rumos da relação entre os dois países no futuro. Os “hermanos” vão às urnas no domingo (19) para decidir, em segundo turno, quem vai governar o país pelos próximos quatro anos – a disputa está entre o candidato governista, Sergio Massa, que é amigo de Lula, e o economista libertário Javier Milei.
Lula disse que tem uma relação de amizade com a Argentina e que o país “precisa ter um presidente que respeita a democracia, as instituições e o Mercosul”. Apesar do recado, ele mesmo reconheceu que não pode opinar sobre a eleição no país vizinho.
“Eu não posso falar de eleição na Argentina, porque é um direito soberano do povo argentino. Mas eu queria pedir que vocês lembrem de que o Brasil precisa da Argentina e de que a Argentina precisa do Brasil”, disse Lula nesta terça (14) durante a live semanal “Conversa com o Presidente”.
O pedido para os argentinos foi dado em meio a uma das promessas de Milei se for eleito, de que vai tirar o país do Mercosul e passar a negociar diretamente com outros países. Mais recentemente, ele também afirmou que não pretende conversar com Lula.
Lula ressaltou durante a live que teve uma convivência próxima com alguns dos últimos presidentes argentinos, como o casal Néstor e Cristina Kirchner, e que lembra da relação que o ex-presidente José Sarney teve com o homólogo Raúl Alfonsin, na década de 1980.
Ele relatou, ainda, a relação comercial entre o Brasil e a Argentina durante os seus dois primeiros mandatos, passando de US$ 7 bilhões para US$ 39 bilhões no final de 2010.
“Nós precisamos estar juntos sem divergência. Quando a gente tiver divergência, senta numa mesa, negocia e acaba com a divergência. Foi assim que eu convivi com a Argentina até agora”, disse ressaltando que ambos os países são os maiores parceiros comerciais da América do Sul.
O presidente ainda relatou que negociações feitas em bloco de países são mais vantajosas do que individuais, e que o mundo “está dividido em blocos”. “Precisamos criar o nosso bloco para negociar comercialmente com o resto do mundo. Podemos fazer um acordo da América do Sul com a China, com a União Europeia, com os Estados Unidos”, explicou Lula.
“Juntos nós seremos fortes, separados seremos fracos. É isso que eu queria que você pensasse na hora de votar”, completou.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte Gazeta do Povo

Publicar comentário