×

Joe Biden e Xi Jinping se reúnem nos EUA com aperto de mãos e sorrisos

Joe Biden e Xi Jinping se reúnem nos EUA com aperto de mãos e sorrisos

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
Os presidentes dos Estados Unidos, Joe Biden, e da China, Xi Jinping, iniciaram sua reunião perto de San Francisco, Califórnia, nesta quarta-feira (15) com um cordial aperto de mãos, enquanto posavam sorridentes diante das câmeras que buscavam imortalizar o momento.
A reunião, que começou às 11h15 (horário local, 16h15 em Brasília), ocorreu em uma mansão conhecida como Filoli, que foi usada como cenário para a série de televisão Dynasty e está localizada na cidade de Woodside, a cerca de 40 quilômetros do centro de San Francisco. Biden estava esperando nos portões da mansão por Xi, que chegou em um carro preto.
Os dois pararam por um momento antes de entrar na casa para acenar para a imprensa, apertar as mãos e posar sorrindo para as câmeras de televisão. Essa reunião cara a cara à margem da cúpula da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (APEC) é a primeira em um ano entre os dois líderes após a que eles tiveram por cerca de três horas em novembro de 2022 em Bali, na Indonésia, durante a cúpula do G20.
Biden chegou à reunião com o objetivo de retomar as comunicações entre as forças armadas dos dois países e fazer com que a China tome medidas para controlar o fluxo para fora de seu território de produtos químicos usados para fabricar fentanil, um poderoso opioide que mata quase 200 americanos por dia, segundo estatísticas.
Por sua vez, Xi quer extrair de Biden o compromisso de que os EUA não intervirão nas eleições presidenciais de Taiwan em janeiro e não apoiarão uma eventual declaração de independência da ilha, que a China reivindica como parte de seu território e que Washington poderia defender em caso de conflito armado.
Nenhum dos lados prevê grandes acordos, mas buscam restabelecer as linhas de comunicação em diferentes áreas para evitar que a concorrência entre as duas potências se transforme em um conflito aberto. Os dois líderes não tiveram nenhuma comunicação formal, nem mesmo uma ligação telefônica, desde a reunião em Bali.
Aquele encontro presencial terminou com uma nota positiva e foi percebido na época como um novo capítulo nas relações bilaterais após as tensões durante o mandato de Donald Trump (2017-2021), quando os dois países se envolveram em uma guerra comercial com a imposição mútua de tarifas. No entanto, o relacionamento foi de curta duração e as relações azedaram novamente depois que o governo Biden derrubou um suposto balão “espião” chinês que sobrevoava os Estados Unidos no início deste ano.
Meses de desconfiança se seguiram desde o incidente, mas em junho uma complicada dança diplomática começou a revitalizar as relações bilaterais com vários membros do governo dos EUA viajando para Pequim, incluindo uma visita em junho do secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken. Além disso, membros do governo chinês viajaram para os EUA nos últimos meses, incluindo o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, que se reuniu com Biden no final de outubro.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: Gazeta do Povo

Publicar comentário