×

Alckmin diz que governo “não vai abrir mão de imposto” para renovar parque industrial

Alckmin diz que governo “não vai abrir mão de imposto” para renovar parque industrial

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
O vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB), que também é ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (Mdic), disse nesta quinta (16) que o governo está preparando um pacote de incentivo à renovação das máquinas das indústrias brasileiras, mas que isso não significa que irá abrir mão de impostos já cobrados.
A declaração foi dada durante o lançamento da nova fase do Programa Brasil Mais Produtivo, que incentiva a transformação digital de micro, pequenas e médias indústrias. Serão R$ 2,037 bilhões em recursos para consultoria dos setores de comércio, serviços e indústria, com a expectativa de atender 200 mil empresas.
“O governo não vai abrir mão do imposto, ele abre mão do fluxo. No primeiro ano reduz a arrecadação de Imposto de Renda e Contribuição Social Sobre Lucro Líquido. Para ajudar a trocar as máquinas, infelizmente o parque industrial está envelhecido”, disse Alckmin no evento.
Segundo o vice-presidente, o pacote de incentivo à renovação do parque industrial ainda não tem data para o lançamento, mas irá reorganizar a arrecadação destes impostos nos primeiros anos.
No mesmo evento, Alckmin reconheceu que a reforma tributária não reduzirá a carga de impostos do país para as industrias, mas deve ajudar o setor ao eliminar a cumulatividade dos tributos na cadeia de produção. Isso, diz, resultará em um aumento do PIB (Produto Interno Bruto) “de 12% a 15% em 15 anos”.
Geraldo Alckmin também criticou a grande quantidade de exceções propostas, e que o ideal seria o menor volume possível. “No mundo inteiro, onde tem IVA, tem exceções. O que não podemos é ter exceções demais”, disparou.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte Gazeta do Povo

Publicar comentário