×

Navalny morreu dias antes de ser trocado por checheno condenado por homicídio na Alemanha

Navalny morreu dias antes de ser trocado por checheno condenado por homicídio na Alemanha

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
O líder opositor russo Alexei Navalny morreu na prisão dias antes de sua troca pelo checheno Vadim Krasikov, condenado na Alemanha pelo homicídio de um cidadão georgiano, segundo revelou nesta segunda-feira (26) a equipe do ativista político falecido.
“Navalny deveria ter sido libertado em poucos dias, já que havíamos conseguido uma decisão sobre sua troca”, disse Maria Pevchij, colaboradora próxima de Navalny, no Telegram.
Pevchij explicou que, no início de fevereiro, o presidente russo, Vladimir Putin, recebeu a proposta de trocar seu inimigo número um e outros dois cidadãos americanos por Krasikov, que assassinou o georgiano Zelimjan Jangoshvili em Berlim, em agosto de 2019.
“Recebi a confirmação de que as negociações estavam em curso e na sua fase final na tarde de 15 de fevereiro”, destacou, ou seja, um dia antes da morte do opositor.
A opositora ressaltou que os correligionários de Navalny passaram dois anos preparando a troca e acusou as autoridades americanas e alemãs de mostrarem pouca vontade política.
“Por que Navalny foi morto agora? Eles deixaram bem claro para Putin que a única maneira de receber Krasikov é trocá-lo por Navalny. ‘Ah, sim?’, pensou Putin. ‘Não aceito um Navalny em liberdade. Se eles estão dispostos a trocar Krasikov, então devemos nos livrar do objeto de troca’”, ponderou Pevchij.
“E Putin sabe perfeitamente que Alexei Navalny poderia tê-lo vencido, que Navalny é o futuro e ele é o passado (…) Graças a Navalny, Putin ficará na história como um covarde, corrupto e ladrão”, afirmou.
O nome de Krasikov foi citado diversas vezes pela imprensa americana na possível troca de cidadãos russos por americanos como Paul Whelan, condenado a 16 anos por espionagem.
Além disso, durante a recente entrevista ao jornalista americano Tucker Carlson, Putin se referiu a um “patriota” russo, em uma clara referência a Krasikov, como possível objeto de troca pelo jornalista do Evan Gershkovich, do Wall Street Journal.
O atestado de óbito entregue à mãe de Navalny afirma que o líder opositor morreu no dia 16 de fevereiro de “causas naturais” na prisão conhecida como “Lobo Ártico”, no distrito autônomo de Iamália-Nenets.
Esta versão oficial foi rejeitada pelos correligionários do opositor e pela viúva do falecido, Yulia Navalnaya, que acusam o chefe do Kremlin de ordenar o assassinato de seu líder.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: Gazeta do Povo

Publicar comentário