×

Alinhado com Pacheco, Haddad confirma que reoneração da folha será enviada por projeto de lei

Alinhado com Pacheco, Haddad confirma que reoneração da folha será enviada por projeto de lei

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, confirmou a retirada da reoneração gradual da folha de pagamento de Medida Provisória (MP) para dar lugar a um Projeto de Lei (PL) sobre o tema. A declaração foi dada durante entrevista à Globonews, nesta quarta-feira (21).
Segundo o ministro, o presidente Lula (PT) está de acordo com a decisão, que atende a um pedido do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Haddad esteve reunido com Lula na manhã da quarta-feira (21) para tratar do tema.
Na noite da quarta, Pacheco também anunciou que o governo havia desistido de tratar da reoneração por MP e que prepararia um Projeto de Lei.
De acordo com o senador, a decisão do governo pelo projeto de lei veio após muitas negociações, e especialmente, pela pressão de parlamentares que criticaram a medida como uma “afronta ao Congresso”, já que havia sido promulgada uma lei que estende a desoneração da folha de pagamento para 17 setores.
“Qualquer mudança sobre o tema não será feita por MP. Isso está acordado. Se houver mudança, nada será de forma imediata. Aí o governo anunciará quais medidas tomará. Se houver mudanças, será discutido por PL. Não haverá na MP nada sobre municípios”, disse Pacheco em coletiva de imprensa.
“A noventena [prazo de 90 dias para a MP começar a valer] deu um conforto para a discussão ficar mais longa. Foi o tempo necessário da construção política”, explicou o senador.
A divergência continua em relação ao término do Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse), que consta na mesma MP. Os congressistas resistem à ideia de acabar com o programa.
Pacheco informou que o governo ainda tem recuado sobre a questão do Perse, e que as discussões políticas sobre o envio ou não de uma nova MP sobre o programa estão travadas.
À Globonews, Haddad reconheceu o impasse sobre os números do Perse, mas disse que levará ao Congresso “os números oficiais” do programa.
Haddad reforçou a inviabilidade do programa nos moldes atuais, já que a projeção da Fazenda aponta para uma renúncia de R$ 20 bilhões anuais e disse confiar nos números apresentados pela Receia Federal sobre o programa.
“Temos muita segurança do que estamos falando porque lidamos com um órgão de Estado”, disse.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte Gazeta do Povo

Publicar comentário