×

Líder de Lula na Câmara quer que PT proíba aliança com PL nas disputas às prefeituras

Líder de Lula na Câmara quer que PT proíba aliança com PL nas disputas às prefeituras

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
O líder do governo na Câmara dos Deputados, José Guimarães (PT-CE), defendeu nesta segunda (26) que o PT não faça coligações com o PL nas disputas às prefeituras e câmaras municipais nas eleições deste ano. A possibilidade de articulação com o partido do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) havia sido aceita pela legenda quando da publicação das resoluções em agosto do ano passado.
Guimarães, que é também vice-presidente do PT, afirmou que quer que a articulação nacional que levou Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à presidência e dos partidos que estão na base do governo seja seguida nas disputas municipais, mesmo sabendo que há casos particulares de cidades em que partidos da oposição se articulam com os da frente ampla.
“Eu vou defender que o PT não faça aliança com o PL de Bolsonaro. Não podemos fazer aliança com quem atenta contra a democracia e o estado democrático de direito”, disse em entrevista ao Estadão publicada nesta terça (27) e concedida horas após uma reunião da executiva nacional petista na segunda (26).
Ele afirmou que governadores e prefeitos que compareceram ao ato convocado por Bolsonaro no último domingo (25) são “cúmplices do golpe”. A afirmação de que os candidatos do partido às eleições municipais deste ano deveriam seguir a frente ampla “que dão sustentação política ao governo Lula” vai contra o que disse o secretário de comunicação do PT, Jilmar Tatto, no ano passado.
Tatto disse que “se o candidato a prefeito declarar que estará conosco em 2026, mesmo estando no PL, é permitido”, ecoando falas de então do próprio ministro Alexandre Padilha, das Relações Institucionais, de que estaria conversando com filiados do partido.
Na época, o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, reagiu e afirmou que “nosso pessoal não vai participar do governo. Se tiver o nome desses parlamentares, me digam para eu tomar uma providência, porque o partido não vai aceitar isso”.
Por outro lado, Guimarães afirmou que pretende amarrar melhor os partidos aliados para caminharem com Lula na eleição de 2026, além da disputa nas cidades com mais de 100 mil eleitores neste ano.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: G Bahia

Publicar comentário