×

Quem chama STF de ativista queria um “Supremo para chamar de seu”, diz Dino

Quem chama STF de ativista queria um “Supremo para chamar de seu”, diz Dino

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
O novo ministro do Supremo Tribunal Federal, Flávio Dino, negou nesta segunda-feira (26) que o STF seja “ativista”. Para Dino, quem acusa a Corte de ativismo jurídico quer um “Supremo para chamar de seu”. O ministro palestrou na faculdade IDP (Instituto Brasileiro de Ensino, Desenvolvimento e Pesquisa), que tem como um dos fundadores o ministro Gilmar Mendes.
“Muito se diz que o STF é ativista, mas alguns dos que dizem isso, na verdade, gostariam de um STF para chamar de seu. Eles não querem fechar o STF, querem instrumentalizá-lo para os seus propósitos. Se o STF for instrumentalizado, perdeu o sentido de existir”, disse.
Dino destacou que uma eventual ausência de questionamentos feitos ao Supremo pelos Poderes demonstraria a “irrelevância” da Corte. O ministro afirmou ainda que o ofício do Poder Judiciário exige “desagradar”.
“Nosso ofício exige desagradar. Quando o Supremo controla o funcionamento de outras instituições, as instituições controladas, públicas ou privadas, reagem, e se estabelece uma polêmica. Mas a insatisfação não é quanto à atuação da Corte, é quanto a certos conteúdos que o STF consagra”, disse.
Desde o ano passado, a atuação do STF é questionada pela oposição ao governo no Congresso. Os parlamentares apontam que a Corte tem invadido a competência dos outros Poderes, como o impasse no caso do marco temporal para demarcação de terras indígenas. A adoção do dispositivo foi rejeitada pelo Supremo, mas foi aprovada pelo Congresso.
Dino tomou posse na semana passada e deve estrear na Corte nesta terça-feira (27) durante uma sessão da Primeira Turma. O colegiado também é formado pelos ministros Luiz Fux, Cármen Lúcia, Alexandre de Moraes e Cristiano Zanin.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: G Bahia

Publicar comentário