×

Coletivos querem mais imposto para a compra de armas de fogo

Coletivos querem mais imposto para a compra de armas de fogo

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
Em um manifesto enviado aos congressistas, tributaristas que integram o Grupo de Pesquisa Tributação e Gênero da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e outros 143 coletivos, instituições e entidades da sociedade civil defendem a tese de que ao regulamentar a reforma tributária, o Congresso Nacional deve incluir as armas de fogo no grupo sujeito ao Imposto Seletivo (IS).
De acordo com o manifesto, “a tributação mais gravosa sobre as armas e munições pode e deve ser utilizada como instrumento limitador do acesso da população a tais bens, por meio do aumento de seus preços e, consequentemente, diminuição da circulação desses produtos”.  
O relatório da reforma tributária foi apresentado à Câmara dos Deputados pelo Grupo de Trabalho (GT) responsável pelo texto no dia 4 de julho de 2024. 
No texto apresentado, os parlamentares definiram que um grupo de produtos será submetido à alíquota padrão do Imposto sobre Bens e Serviços (IBS) e da Contribuição Social sobre Bens e Serviços (CBS), que é de 26,5%.
Outro grupo de produtos estará submetido ao Imposto Seletivo (IS), que incidirá sobre a comercialização de bens prejudiciais à saúde e cuja alíquota é maior.
“Se não houver a inclusão de previsão de tributação de armas de fogo pelo Imposto Seletivo (IS), a tributação sobre esses bens será reduzida dos atuais 89,25% para apenas 26,5%. Ou seja, armas de fogo passarão a sofrer a mesma tributação de flores, fraldas, brinquedos e perfumes, que estarão submetidos à alíquota padrão do IBS e da CBS”, reclamam as entidades no manifesto.
O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), quer votar a regulamentação da reforma tributária ainda nesta semana. 
A intenção é que haja um esforço concentrado até a quarta-feira (10) para a votação em plenário, em acordo com o governo Lula, que enviou um pedido de urgência para a tramitação da proposta. 
Se aprovada, a regulamentação, além de uma vitória de Lula e do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, também será uma demonstração da influência de Lira, que vê a reforma como um legado de sua presidência na Câmara.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte Gazeta do Povo

Publicar comentário