×

Macron, o pato manco da França

Macron, o pato manco da França

Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.
“Alianças desonrosas jogaram a França nos braços da esquerda radical”, declarou o desapontado líder de 28 anos do partido Reunião Nacional (RN), Jordan Bardella, na noite de domingo, enquanto os resultados do segundo e último turno das eleições parlamentares do país chegavam. Bardella e seus aliados se saíram pior do que o previsto, mas a contagem final não foi tão dramática. Na manhã desta segunda-feira (08), a França acordou com um parlamento pendente: as três facções mutuamente irreconciliáveis — Esquerda, Direita e Centro — não conseguiram alcançar nada perto da maioria de 289 assentos necessária para governar o país.
O presidente Emmanuel Macron, do partido centrista Renaissance (Renascimento), convocou eleições parlamentares antecipadas no mês passado, depois que o RN teve um desempenho surpreendente nas eleições da França para o parlamento da União Europeia. Macron agora pediu ao primeiro-ministro Gabriel Attal que permaneça no comando de um governo interino de fato, deixando o povo francês a se perguntar como — ou se — um governo com apoio majoritário será formado antes da próxima eleição presidencial em 2027.
A esquerda teve a melhor noite. A Nova Frente Popular (NFP), uma coalizão instável que combina cerca de 50 partidos políticos de esquerda, sindicatos e outras organizações, foi criada apenas em 10 de junho, após o impressionante desempenho do RN nas eleições da União Europeia. Ela ficou em primeiro lugar no domingo, garantindo 182 assentos (107 a menos que o necessário para ganhar a maioria), apesar de dar poucas indicações de que seus elementos díspares possam formar um programa governamental coerente, concordar com um líder ou mesmo superar este último revés para o RN. Em seguida, veio a coalizão Juntos pela República (EPR) de Macron, com 163 assentos, uma queda dos 245 nas últimas eleições em 2022 e da maioria absoluta de 361 assentos que os apoiadores de Macron conquistaram quando ele foi eleito presidente pela primeira vez em 2017. O RN ficou em terceiro lugar com 143 assentos, muito pior do que o esperado.
A decepção de Bardella era compreensível, mesmo que a campanha do RN não tenha conseguido atenuar o impacto de suas associações controversas com o fascismo e deficiências na construção de coalizões, alocação de recursos, seleção de candidatos e relações públicas. Depois de dominar as eleições da UE em 9 de junho e o primeiro turno das eleições parlamentares em 30 de junho, o partido, seus oponentes e praticamente todas as pesquisas concordaram que ele ganharia uma grande quantidade de assentos, se não uma maioria absoluta, no segundo turno. Se isso tivesse acontecido, Macron teria sido obrigado pelas convenções políticas da Quinta República a convocar Bardella para formar um governo em desacordo com sua presidência — um arranjo estranho conhecido como coabitação que os fundadores da atual República não parecem ter previsto e que não funcionou bem no passado.
Em vez disso, a coalizão angustiada e impopular de Macron formou uma “aliança tática” com a NFP. Segundo seus termos, candidatos que terminaram em terceiro lugar ou pior no primeiro turno desistiram da corrida antes do segundo turno, evitando assim dividir o voto contra candidatos do RN. Ao contrário de praticamente tudo o mais na política francesa, esse processo, colocado em ação em 221 circunscrições, provou ser altamente eficaz, custando ao RN dezenas de assentos onde ele era favorito para ganhar.
No entanto, embora o RN não tenha cumprido as expectativas, ele ainda acrescentou 54 assentos aos 89 que ganhou em 2022 e conquistou 135 a mais do que os meros oito assentos que ganhou há apenas sete anos, em 2017. Como reconheceu Bardella, mesmo o RN numericamente contido se mantém como o maior partido na Assembleia Nacional, uma vez que as coalizões são divididas em suas partes componentes. Tendo conquistado mais de um terço dos votos populares, o RN também superou todos os seus oponentes, individualmente e em bloco. E com 30 dos 81 assentos da França no Parlamento Europeu, o RN é maior lá do que os dois próximos partidos franceses combinados.
Os maiores perdedores das eleições são Macron e sua coalizão centrista. Nem o sucesso do RN nas eleições europeias nem qualquer outra coisa na política francesa exigia que ele convocasse eleições legislativas antecipadas. Ele parece ter feito isso em um acesso de irritação, explicando mais tarde que buscava “clareza” na direção de seu país. Ele poderia ter feito o seu melhor para fornecer essa clareza antes das eleições presidenciais de 2027, nas quais os limites de mandato o proíbem de participar. Em vez disso, ele desperdiçou desnecessariamente a vantagem considerável de sua coalizão parlamentar, jogou seu primeiro-ministro e herdeiro político aparente debaixo do ônibus e quase certamente manchou seu legado e se reduziu a três anos com o status de pato manco.
Macron tem a humilhação adicional de dever até mesmo sua sobrevivência política manca a um acordo de bastidores obscuro e antidemocrático com a esquerda radical, que o odeia tanto quanto odeia o RN, se candidatou revertendo seu programa econômico pró-negócios e já pediu sua renúncia. Enquanto o Centro e a Esquerda lutam entre si, o RN estará esperando nos bastidores.
Paul du Quenoy é presidente do Palm Beach Freedom Institute.
Máximo de 700 caracteres [0]
Apenas assinantes podem salvar para ler depois
Saiba mais em Minha Gazeta
Você salvou o conteúdo para ler depois
As notícias salvas ficam em Minha Gazeta na seção Conteúdos salvos. Leia quando quiser.
Encontre matérias e conteúdos da Gazeta do Povo
Carregando notificações
Aguarde…
Os recursos em Minha Gazeta são exclusivos para assinantes
Saiba mais sobre Minha Gazeta »

source
Fonte: Gazeta do Povo

Publicar comentário